Fed deixa taxas de juro inalteradas

A Reserva Federal (Fed), banco central dos EUA, deixou as taxas de juro inalteradas, como era esperado, e assinalou que a atividade económica continua a crescer a um ritmo moderado. O comité de política monetária da Fed reconheceu que a criação de emprego abrandou, mas sublinhou o crescimento “sólido” dos gastos dos consumidores e dos […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A Reserva Federal (Fed), banco central dos EUA, deixou as taxas de juro inalteradas, como era esperado, e assinalou que a atividade económica continua a crescer a um ritmo moderado.

O comité de política monetária da Fed reconheceu que a criação de emprego abrandou, mas sublinhou o crescimento “sólido” dos gastos dos consumidores e dos investimentos das empresas.

No comunicado divulgado após uma reunião de dois dias, a Fed não fez qualquer referência à possibilidade de a situação económica e financeira global ter impacto no crescimento dos Estados Unidos, como fez em setembro.

OJE

Recomendadas

Cimeira da NATO: o Ártico é a próxima fronteira

A entrada da Suécia e da Finlândia na NATO, um dos temas centrais da agenda da cimeira da Roménia, transforma o Ártico numa nova zona de conflito potencial. A Rússia lembrou esse perigo, que Jens Stoltenberg conhece bem.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Morreu Jiang Zemin, ex-presidente e um dos construtores da China moderna

Foi um dos obreiros do crescimento económico da China e pretendeu construir um relacionamento estável com os Estados Unidos. Queria uma China a “entrar no mundo”.