Fed deve subir de novo as taxas de juro devido a inflação persistente

A Reserva Federal norte-americana (Fed) deverá decidir, na reunião de dois dias que começa na terça-feira, um novo aumento forte das taxas de juro para travar a inflação, apesar da ameaça de recessão.

10 – Estados Unidos

Em agosto, a inflação nos Estados Unidos ficou acima do previsto, com o índice de preço CPI a avançar 8,3% na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o que deverá levar a Fed a agir.

Os preços continuaram a aumentar significativamente apesar de uma ligeira desaceleração da inflação pelo segundo mês consecutivo.

“Sem surpresa a Fed deve subir de novo as taxas em 75 pontos base”, prevê Nancy Vanden Houten, economista da Oxford Economics, citada pela AFP.

Desde março, o banco central norte-americano já aprovou quatro subidas das taxas de juro, as duas últimas, em junho e julho, de 75 pontos base, um aumento que não acontecia desde 1994.

As taxas de juro de referência estão, atualmente, entre 2,25% e 2,50%, tendo subido gradualmente de forma a aumentar o custo do crédito para particulares e empresas e abrandar o consumo e o investimento.

O Banco Central Europeu (BCE) também decidiu um aumento idêntico de 75 pontos base nas suas taxas de juro, no início de setembro, um aumento inédito desde a criação do euro.

A maior parte dos participantes no mercado antecipa que a Fed deve decidir um aumento de 75 pontos base, mas já foi também avançada a possibilidade de um aumento mais forte, de um ponto percentual (100 pontos base).

Os “números escaldantes” da inflação “aumentaram a pressão sobre a Reserva Federal para um aumento de um ponto percentual”, considera Diane Swonk, economista-chefe da KPMG, acrescentando que “será uma das decisões mais difíceis e com maior carga política”, devido à possibilidade de recessão.

Há um “risco de recessão”, admitiu recentemente a secretária do Tesouro norte-americana, Janet Yellen, afirmando, no entanto, que a prioridade é travar esta subida de preços.

O ex-secretário do Tesouro Larry Summers, que foi um dos primeiros em 2021 a alertar para um “sobreaquecimento” da economia, também se inclina para um aumento de um ponto percentual, “para “reforçar a credibilidade” da Fed, mostrar que pode agir de forma eficaz contra a inflação, escreveu no Twitter.

Durante largos meses, a Fed considerou que a inflação seria apenas “transitória”.

A robustez do mercado laboral norte-americano tem dado à Fed margem para medidas mais agressivas. A taxa de desemprego nos Estados Unidos é de 3,7%, uma das mais baixas dos últimos 50 anos, havendo mesmo uma escassez de trabalhadores para alguns postos de trabalho vagos.

Além da decisão sobre as taxas de juro, a Fed vai atualizar na quarta-feira, quando terminar a reunião, as previsões em matéria de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), de inflação e de desemprego.

Recomendadas

Cotação do barril Brent para entrega em novembro baixa para 87,96 dólares

A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em novembro terminou esta sexta-feira no mercado de futuros de Londres em baixa de 0,73%, para os 87,96 dólares.

Wall Street encerra sessão com principais índices a perder mais de 1,50%

No momento de fecho o Dow Jones recua 1,71%para 28.725,84 pontos, o S&P 500 cede 1,51% para 3.585,40 pontos e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 1,51% para 10.575,62 pontos. 

PremiumAções com pior mês desde junho e pode não ficar por aqui

Libra em forte desvalorização e juros da dívida do Reino Unido disparam após polémico “mini-orçamento” de Liz Truss.
Comentários