FED pode aumentar taxas de juro em dezembro

Pedro Ricardo Santos, gestor da XTB Portugal, analisa reunião da Fed.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

“As minutas da FOMC conhecidas esta tarde não trouxeram nada de novo às expectativas formuladas pelos investidores internacionais”, de acordo com a análise de Pedro Ricardo Santos, gestor da XTB Portugal.

Este gestor salientou que “não há nada que altere as probabilidades de aumento da taxa de juro, em Dezembro próximo. O banco central americano está satisfeito com o rumo que a economia está a tomar e não vê riscos acrescidos vindos do exterior. De forma resumida, o teor deste relatório foi muito semelhante aos últimos discursos proferidos pelos membros do Comité de Política Monetária do FED. Falta ainda definir aquilo que grande parte dos investidores quer perceber, qual o ritmo de crescimento das taxas durante o próximo ano”.

OJE/XTB Portugal

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Paciência zero para a política Covid zero na China. Veja “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

A política de Covid zero começa a fazer mossa na China com o confinamento de centenas de milhões de pessoas a desencadear protestos pouco comuns na presidência de Xi Jinping. Os incidentes diplomáticos no Qatar e a perseguição aos curdos por parte de Erdogan serão também temas em análise por parte do embaixador Francisco Seixas da Costa.

Taxa de inflação anual na zona euro abranda para 10% em novembro

De acordo com a estimativa do Eurostat, a energia é a componente que apresenta a mais alta taxa de inflação homóloga (34,9%, em baixa face a 41,5% de outubro), seguindo-se a alimentação, álcool e tabaco (13,6%, que se compara com 13,1% do mês anterior), os bens industriais não energéticos (que se manteve estável nos 6,1%) e os serviços (4,2%, face a 4,3%).