FED: subida de taxas hoje é consensual, mas o foco está no ‘dot plot’

Os 77 economistas sondados pela Bloomberg, e os 122 questionados pela Reuters, prevêem que o banco central do Estados Unidos anuncie uma subida de um quarto de um ponto percentual hoje.

REUTERS/Kevin Lamarque

A previsão é unânime entre os economistas, a Reserva Federal dos Estados Unidos deverá anunciar hoje ao final da tarde uma subida nas taxas de juros, de 25 pontos base, a primeira desde dezembro do ano passado e apenas a segunda desde 2006.

Com esta certeza, as atenções dos economistas e dos mercados estão centradas no ‘dot plot’, ou mapa de pontos que mostra as previsões das taxas de juros feitas pelos 17 membros do Federal Open Market Committee (FOMC) e que deverá dar os primeiros sinais sobre os próximos passos que o banco central dos Estados Unidos poderá tomar.

dot-plot-chart

O gráfico, que foi publicado pela primeira vez em 2012, em setembro deste ano colocava a projeção mediana – partilhada por nove decisores – em dois aumentos para 2017, muito mais suave do que as anteriores previsões para quatro subidas em 2016 e mais quatro no próximo ano.  A Fed foi cortando as previsões durante este ano, devido à turbulência nos mercados financeiros, receios sobre o crescimento da economia global e baixas expectativas em relação à inflação.

A conjuntura política e dos mercados nos Estados Unidos mudou, contudo, de forma dramática desde esse último ‘dot plot’ de setembro. O magnata republicano Donald Trump foi eleito, inesperadamente, à Casa Branca a 8 de novembro. Os índices em Wall Street dispararam para máximos históricos, com os investidores entusiasmados com as promessas sobre cortes nos impostos e mais investimento nas infraestruturas. A taxa da dívida dos Estados Unidos a 10 anos está nos 2,45%, face a 1,83% no início de novembro.

Apesar destas mudanças, quase paradigmáticas, os economistas prevêem ainda que a Fed só aumente as taxas duas vezes em 2017, com a discussão centrada sobre o ‘timing’, com o banco central a aguardar a implementação das medidas prometidas por Trump antes de mudar o rumo da política monetária.  Na sondagem da Bloomberg, a probabilidade do próximo aumento ser em junho é de 35%, enquanto março representa uma hipótese de 25% e novembro 12%.

“É possível que eles (os membros da Fed) retirem, a prazo, um bocado da retórica sobre o ‘gradualismo’, disse Laura Rosner, economista do BNP Paribas em Nova Iorque, à Bloomberg. “Mas março parece cedo demais. A Fed demorou muito tempo a concluir que estamos num mundo de baixa inflação e taxas e eu não espero que a avaliação mude rapidamente”.

A reunião de dois dias dos líderes da Reserva Federal em Washington termina com um comunicado às 19h00 seguido de uma conferência de imprensa com a presidente, Janet Yellen. O leque de temas que Yellen terá de cobrir é alargado – desde as decisões tomadas na reunião, aos riscos que a Fed vê nos planos de Trump, e a sua própria eventual substituição em março de 2018.

Trump criticou Yellen várias vezes durante a campanha presidencial, acusando a presidente do banco central de manter as taxas baixas para ajudar a candidata democrata, Hillary Clinton. A reação do presidente-eleito à decisão e aos comentários de Yellen também deverá ser amplamente analisada pelos mercados.

“Há um risco real que ele (Trump) poderá ser abertamente crítico sobre a decisão de aumentar a taxa de juros,” disse Paul Ashworth, economista na Capital Economics, à Reuters, adiantando que isso poderá perturbar os mercados e levar a perguntas sobre se Trump irá dar independência à Fed ou se vai romper com a tradição e tentar influenciar as decisões.

“Se permanecer silencioso após o anúncio, podemos começar a acreditar que vai ser ‘business as usual’ para a Fed,” concluiu Ashworth.

 

 

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.
Comentários