Federação Nacional de Regantes apresenta prioridades para 2020

A Fenareg considera ainda como prioritário rever os modelos de tarifários da água para a agricultura, criando um sistema claro, equilibrado e equitativo, que premei os aumentos de eficiência.

A Federação Nacional de Regantes de Portugal (Fenareg) reuniu-e a 19 de dezembro em assembleia geral, na sede da Associação de Beneficiários do Roxo, em Montes Velhos, Aljustrel, para definir a agenda de 2020.

Num momento em que se prepara o próximo Quadro Comunitário de Apoio, com as questões climáticas no topo da agenda Europeia, os regantes enumeram como prioridades para o próximo ano aumentar a capacidade de armazenamento de água e de regularização inter-anual nas bacias hidrográficas e negociar o regime de caudais nas bacias hidrográficas internacionais, com prioridade para o Tejo, garantindo mínimos diários e volumes que respondam à evolução das necessidades dos agricultores.

A Fenareg considera ainda como prioritário rever os modelos de tarifários da água para a agricultura, criando um sistema claro, equilibrado e equitativo, que premei os aumentos de eficiência. Pode continuar a ler o artigo aqui.

Recomendadas

Oceanos. Presidente da República destaca papel pioneiro de Portugal nas renováveis

“No caso de Portugal, fomos pioneiros em muitos campos, como as renováveis. Quando começámos a substituir outras formas de energia alguns disseram éramos tolos, não éramos, agora queremos antecipar as metas internacionais”.

DGRM vai promover venda de 743 quilos de alabote congelado que foi apreendido

Para participar da venda, cujo valor mínimo é de 2.125 euros, pressupõe-se a prévia aceitação das condições estipuladas e envio de proposta até ao dia 13 de maio de 2022.

Marcelo elogia Cavaco e aponta Conferência dos Oceanos como “oportunidade única”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, elogiou esta segunda-feira o seu antecessor, Aníbal Cavaco Silva, considerando que deu “projeção cimeira ao mar”, e apontou a Conferência dos Oceanos como uma “oportunidade única” para Portugal.
Comentários