FEI e Comissão Europeia lançam iniciativa de apoio aos fornecedores de microcrédito e de financiamento social

Ao abrigo do Programa da UE para o Emprego e a Inovação Social, as duas entidades anunciam a “janela de investimento” para facilitar o acesso ao financiamento através de medidas estruturais.

A iniciativa, denominada de “janela de investimento”, visa reforçar a capacidade dos intermediários financeiros selecionados no domínio do microfinanciamento e do financiamento de empresas sociais. O apoio do Fundo Europeu de Investimento (FEI) traduz-se, essencialmente, através de investimentos em capital próprio (como capital de arranque e capital de risco), do desenvolvimento desses fornecedores de financiamento, do investimento em recursos humanos, do desenvolvimento de uma ferramenta informática ou do financiamento de certas despesas. Estes investimentos, em última análise, irão ajudar no aumento da oferta e das oportunidades para os micromutuários e as empresas sociais.

Marianne Thyssen, comissária da UE para o Emprego, os Assuntos Sociais, as Competências e a Mobilidade dos Trabalhadores, afirmou: “É com satisfação que inauguro a janela do Programa da UE para o Emprego e a Inovação Social (EaSI) para o desenvolvimento das capacidades que irá contribuir para agilizar o acesso ao financiamento através de medidas estruturais. Irá ajudar os intermediários financeiros selecionados a desenvolver as suas atividades a longo prazo e fornecer um acesso contínuo a financiamento por parte das microempresas e das empresas sociais da Europa. Responde às necessidades das instituições financeiras que desejam desenvolver as suas capacidades e reforçar a oferta no mercado. Através deste instrumento, confirmamos o nosso empenhamento em impulsionar o crescimento e o emprego e ajudar as pessoas mais vulneráveis no mercado de trabalho”.

O Diretor Executivo do FEI, Pier Luigi Gilibert, mostra-se confiante de que “a janela de investimento do EaSI para o desenvolvimento das capacidades será essencial no reforço das capacidades operacionais e institucionais dos fornecedores”, salientando que este novo reforço “é fundamental” para o cumprimento dos objetivos de investimentos, “de uma forma eficaz e sustentável” por parte dos prestadores de financiamento. “Congratulo-me por ver que o FEI irá apoiar os fornecedores de financiamento, na criação de um ambiente favorável ao investimento”, conclui.

Pretende-se que, com a entrada em vigor da janela de investimento, o ecossistema para o microfinanciamento e o empreendedorismo social seja reforçado, ao mesmo tempo que se catalisam investimentos adicionais nas economias europeias e se reflita o firme compromisso da Comissão Europeia de lançar iniciativas concretas com vista a promover o emprego, o crescimento e o investimento.

Recomendadas

Startup de Braga cria dispositivo que permite testar sangue em três minutos

A solução desenvolvida pela CRIAM é portátil e “80% mais barata que os equipamentos convencionais”. A startup diz que reduz o erro humano e a dependência de reservas de sangue e que é aplicável em situações de emergência.

Fundo dos CTT participa em investimento de 5,2 milhões da startup luso-americana Habit

O fundo de 5 milhões de euros TechTree, lançado pelo operador postal, investiu na ronda da Habit, depois de ter apostado nas empresas Kit-AR e na Sensefinity, ligadas à Realidade Aumentada e sensorização logística.

Casa do Impacto tem mais 500 mil euros para startups

Há novidades nesta terceira edição do +PLUS: a alocação de 50% do orçamento do fundo para soluções de impacto ambiental e outros 50% (250 mil euros) para soluções inovadoras de impacto social.
Comentários