Fenprof reúne com o Ministério da Educação para pedir melhores condições de trabalho aos professores

Objetivo passa por propor a celebração de um protocolo negocial que visa dar resposta a problemas que a Fenprof quer ver ver resolvidos e para os quais o Ministério tem tomado “medidas avulsas, de curto alcance”.

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) vai reunir na próxima quinta-feira com o Ministro da Educação e o Secretário de Estado da Educação, tendo em vista propor a celebração de um protocolo negocial, em setembro, com medidas de melhoria das condições de trabalho dos docentes. A informação foi divulgada em comunicado pela própria federação, que acrescenta que a reunião peca “por tardia”.

Na mira está o desenvolvimento de processos específicos de negociação e respetiva calendarização, assim como medidas que confiram atratividade à profissão e ajudem a dar uma “resposta de fundo” à falta de professores, um problema que o Ministério “vem querendo resolver resolver com medidas avulsas, de curto alcance”, pode ler-se.

A Fenprof pretende ainda lançar questões sobre temas como “mobilidade por doença, mobilidade estatutária, crédito de horas atribuído às escolas ou a época de exames” agendada para o presente mês de agosto. Pretende também ver do Ministério respostas acerca da “sua disponibilidade para assegurar um clima de relacionamento institucional”, refere-se no mesmo comunicado

A reunião vai ter lugar na próxima quinta-feira, dia 4 de agosto, a partir das 14 horas.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira, 8 de agosto

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Matemática Aplicada às Ciências Sociais com média de 9,4 valores, a pior da segunda fase dos exames nacionais

O Ministério da Educação revela a realização de um total de 55. 055 provas. Os resultados da segunda fase dos exames nacionais foram divulgados esta sexta-feira, 5 de agosto.

Diretores pedem alargamento da medida para alunos carenciados

Os diretores escolares defendem que o Governo alargue a todos os alunos carenciados a medida que prevê a abertura de 500 vagas no ensino superior apenas para os estudantes de escolas situadas em zonas desfavorecidas.
Comentários