Feriados dão folgas extras a deputados

Parlamento agendou contacto com o eleitorado para dias junto a feriados e fins de semana. Debate quinzenal foi antecipado para quarta-feira.

As duas primeiras semanas de trabalho no Parlamento vão ser reduzidas a quatro debates de comissões parlamentares no hemiciclo, avança hoje o Correio da Manhã.

Os deputados à Assembleia da República têm marcados contactos com o eleitorado nos dias anteriores aos fins de semana e feriados do último mês do ano, o que vai diminuir os dias de trabalho parlamentar.

Na primeira semana de dezembro, o dia seguinte ao feriado da Restauração da Independência, ficou reservado para o contacto com o eleitorado.

Para esta semana estão agendadas comissões parlamentares, entre as quais a audição a Guilherme d’Oliveira Martins, na comissão de inquérito à recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e a três ministros, que vai decorrer hoje às 15H00. Na quarta-feira, o Conselho Europeu marcará a agenda do debate quinzenal com António Costa.

O trabalho parlamentar ficará praticamente concluído na quarta-feira, uma vez que no dia seguinte, 8 de dezembro, é feriado. Na sexta-feira, dia 9, e na segunda-feira, dia 12, os deputados têm novamente o dia reservado para contacto com o eleitorado.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários