PremiumFernando Alexandre: “A política orçamental mudou desde a crise”

Co-autor do livro “Crise e Castigo e o Dia Seguinte” alerta que, apesar dos seis anos consecutivos de equilíbrio externo, há “sinais preocupantes” em relação à capacidade de financiamento de Portugal.

Cristina Bernardo

Os fragilidades da economia portuguesa são esmiuçadas pelos economistas Fernando Alexandre, Luís Aguiar-Conraria e Pedro Bação no livro “Crise e Castigo e o Dia Seguinte”, reeditado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos. Ao Jornal Económico, Fernando Alexandre alerta que, apesar da recuperação económica, as famílias e as empresas “continuam muito endividadas”.

Este livro traça um retrato da evolução de Portugal até à crise e da recuperação económica. O país aprendeu as lições necessárias?
O país é composto por pessoas com visões muito diferentes. Julgamos poder dizer que muitas pessoas estão agora mais conscientes dos perigos associados a grandes défices públicos e a níveis elevados de dívida pública. O facto de as reivindicações de certos sectores da sociedade, como os professores, não terem recebido grande simpatia popular pode ser um sinal dessa consciência de que, nas circunstâncias atuais, é difícil aumentar os benefícios atribuídos pelo Estado, especialmente quando implicam aumentos consideráveis da despesa pública. Nesta linha, parece ser claro que a política orçamental mudou desde a crise. O Governo da “geringonça” deu prioridade à redução do défice e o novo Governo tem como lema as contas certas.

Refere que houve projetos com retornos medíocres face à despesa pública ou ao crédito obtido. Que projetos foram esses?
A situação do sector bancário, o elevado valor de créditos irrecuperáveis ou registados como imparidades refletem a má alocação do crédito. As perdas da banca concentraram-se nos sectores da construção e imobiliário. No caso do investimento público destacam-se muitas parcerias público-privadas, onde a posição do Estado não foi bem defendida, e obras de baixo retorno para a sociedade e a economia, onde o aeroporto de Beja se destaca.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

As pessoas não podem ficar para trás na nova era

Milhões de euros de investimentos e centenas de megawatts. Ao escrever e ler sobre o mundo da energia, é normal que os grandes números sejam abordados, tal a dimensão dos projetos.

Crise vai sentir-se no sector automóvel, mas pode ser uma oportunidade para Portugal? Veja a JE Talks

O atual cenário de inflação e aumento de custos energéticos soma-se às fragilidades já conhecidas dos fabricantes decorrentes da pandemia. Como vão as empresas – e o país – contornar os desafios mantendo o foco na descarbonização? Saiba tudo nesta JE Talks.

Governo decide não renovar estado de alerta em território nacional

O ministro da Saúde justifica a decisão com “o elevado nível de vacinação na população portuguesa”.
Comentários