Fernando Araújo escolhido para liderar Direção-Executiva inédita do SNS

O atual presidente do Centro Hospitalar Universitário de São João, no Porto, é o nome escolhido para liderar o Serviço Nacional de Saúde, confirmou ao meio-dia o recém-empossado ministro da Saúde, Manuel Pizarro. Direção Executiva do SNS “estará em plenitude de funções a partir do dia 1 de janeiro”, aquando da entrada em vigor do Orçamento do Estado para 2023. 

Manuel de Almeida/Lusa

Fernando Araújo, o atual presidente do Centro Hospitalar Universitário de São João, no Porto, é o nome escolhido para liderar o Serviço Nacional de Saúde (SNS), confirmou ao meio-dia o recém-empossado ministro da Saúde, Manuel Pizarro.

“Quero anunciar que o Governo, através do ministro da Saúde, dirigiu ao Senhor Professor Doutor Fernando Araújo um convite para que venha a ser nomeado como primeiro diretor-executivo do Serviço Nacional de Saúde, e é naturalmente com muita satisfação que posso anunciar que aceitou esse convite e será, portanto, nomeado num futuro próximo”, esclareceu o governante numa conferência de imprensa no ministério da Saúde, confirmando as suposições da opinião pública nos últimos dias.

Nas palavras do sucessor de Marta Temido, Fernando Araújo “é uma personalidade bem conhecida dos portugueses, nomeadamente no sector da Saúde, e um profissional de méritos reconhecidos”, lembrando os cargos e a “enorme experiência na gestão de unidades de saúde”, que foi vogal e presidente da ARS Norte.

“Julgo que ninguém no país, sobretudo ninguém no sector da Saúde, tem quaisquer dúvidas de que é uma personalidade com todas as condições para dar ao Serviço Nacional de Saúde um aporte em matéria de gestão que todos reconhecemos ser muito necessária”, afirmou ainda Pizarro.

O ministro confirmou ainda que a Direção Executiva do SNS vai estar sediada no Porto, acrescentando que a proposta apresentada pelo novo diretor executivo está em linha com “a intenção descentralizadora do Governo”.

“Foi-nos proposto pelo senhor diretor executivo que a sede da nova instituição seja localizada no Porto e nós entendemos que essa é uma proposta consentânea com a intenção descentralizadora do Governo”, afirmou o governante.

A Direção Executiva do Serviço Nacional de Saúde, que irá coordenar a resposta nas unidades de saúde públicas, será composta por cinco órgãos e terá estatuto de instituto público de regime especial para garantir autonomia para emitir regulamentos e orientações.

O decreto-lei hoje publicado hoje Diário da República indica que a figura de “instituto público de regime especial” serve para garantir, por um lado, “a superintendência e tutela do membro do Governo responsável pela área da saúde” e, por outro, “o exercício autónomo das suas atribuições e do poder de emitir regulamentos, orientações, diretrizes e instruções genéricas e específicas vinculativas sobre os estabelecimentos e serviços do SNS.

Segundo Manuel Pizarro, a Direção Executiva do SNS “estará em plenitude de funções a partir do dia 1 de janeiro”, aquando da entrada em vigor do Orçamento do Estado para 2023.

Recomendadas

Investigadores da UC testam técnica inovadora no tratamento do cancro do pulmão

Uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra testou, pela primeira vez em Portugal, a Imuno-PET, uma técnica inovadora que pode ajudar a prever a resposta aos tratamentos de imunoterapia, terapêutica utilizada em doentes com cancro do pulmão.

Governo dos Açores anuncia seis milhões de euros para medicamentos para idosos

O vice-presidente do Governo dos Açores, Artur Lima, anunciou este sábado que o Plano e Orçamento de 2023 irá prever uma verba “histórica” para o Compamid, que apoia os idosos na aquisição de medicamentos, de seis milhões de euros.

Isolamento deixa de ser obrigatório para infetados com Covid-19

O Ministério da Saúde também aponta que os testes a covid-19 deixam de ser prescritos via SNS 24
Comentários