Ferrari lança primeiro elétrico em 2025 e com direito a rugido

A marca está a desenvolver uma tecnologia com o objetivo de dar um rugido ao novo carro elétrico.

A Ferrari vai lançar o seu primeiro carro elétrico em 2025, mas os ferraristas podem ficar descansados: o novo modelo vai ter direito a rugido.

Uma patente submetida pela marca do “cavallino rampante” revela que a marca está a criar um “aparelho de reprodução para a produção de um som que pode ser associado a um motor elétrico”, segundo os analistas da Oddo BHF, citados pela “Bloomberg”.

O aparelho vai assim permitir que o som do motor elétrico, ou motores, seja amplificado e depois direcionado para a traseira do automóvel para ser libertado.

“Uma tecnologia que possa reproduzir com sucesso pode de alguma forma compensar pela perda do rugir do motor”, segundo a gestora de ativos europeia que acredita que a Ferrai vai oferecer um carro elétrico “entusiasmante e inovador quando chegar ao mercado em 2025”.

O líder da Ferrari disse em meados de 2022 que o sim é algo que “caracteriza a essência da Ferrari”, segundo Benedetto Vigna.

Cada motor da marca do cavalinho negro tem a sua própria “assinatura”, afirmou em junho de 2022, adiantando que o objetivo era que o carro elétrico da marca também tivesse a sua própria marca distintiva.

Em 2021, a marca lançou o seu terceiro modelo híbrido: o 296 GTB com um preço de 300 mil euros e velocidade máxima de 330km/h.

Recomendadas

Premium“Vamos continuar a trabalhar as duas marcas em separado”

Neves e Almeida e CEGOC vão trabalhar em autonomia e com equipas de gestão próprias, mantendo a identidade de cada marca.

Moçambique/Ataques: TotalEnergies pede avaliação a especialista humanitário

A petrolífera quer saber se há condições para retomar o projeto de exploração de gás que estava a construir na região.

CP alerta para perturbações na circulação entre 8 e 17 de fevereiro devido a greves

A empresa indicou também que a informação será atualização, caso venham a ser definidos serviços mínimos pelo Tribunal Arbitral.
Comentários