Ferraz da Costa: “Tenho pena que a troika tenha ido embora”

Presidente do Fórum para a Competitividade considera que, desde a saída da troika, Portugal ficou sem programa, criticando ainda a legislação laboral.

O empresário e presidente do Fórum para a Competitividade, Pedro Ferraz da Costa, considerou que a saída da troika de Portugal deixou o país sem um programa definido, esta quinta-feira, durante a Conferência “Moldar o Futuro”, organizada pelo CIP em Lisboa, noticia o Jornal de Negócios.

“Desde que fizemos a saída limpa deixou de haver programa [para seguir] e agora continua a não haver”, disse Ferraz da Costa, citado pelo Jornal de Negócios. “Tenho pena que a troika tenha ido embora”.

Em declarações ao Jornal de Negócios, o presidente do Fórum para a Competitividade, salientou que “há coisas em Portugal que infelizmente só se fazem quando há pressão externa para mudar”, uma vez que o programa da troila em Portugal permitiu aplicar uma série de medidas.

O empresário considerou, contudo, que o valor do resgate ao país excluiu sectores como a banca e os transportes, uma vez que “a dimensão financeira do envelope da troika era insuficiente”.

A legislação laboral não ficou fora das críticas de Ferraz da Costa durante a conferência, considerando que “a legislação do trabalho é das áreas em que estamos pior, portanto, dizer-se que se cristaliza a situação atual, não me parece que seja algum progresso. É desistir de mudanças indispensáveis em áreas em que é preciso mudar”, disse citado pela TSF.

 

 

Recomendadas

Portugal acompanhado por 14 países da UE a reclamar teto para preço do gás

Quinze Estados-membros, entre os quais Portugal, subscreveram a carta conjunta enviada na terça-feira à Comissão Europeia a reclamar um teto para o preço do gás importado, matéria que deverá ser discutida no Conselho extraordinário de Energia de sexta-feira.

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta quarta-feira

“Sedes quer que escolas escolham professores a partir de uma lista”; “Governo sobe para 10.500 euros por ano fasquia para não pagar IRS em 2024”; “Salários do Estado perdem peso no PIB”.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

O INE divulga hoje as estatísticas de rendas da habitação ao nível local no segundo trimestre do ano, os inquéritos de conjuntura às empresas e aos consumidores deste mês e ainda as estimativas mensais de emprego e desemprego referentes ao mês de agosto. Nos EUA, faz-se inventário ao crude, aos destilados e aos combustíveis.
Comentários