Fertagus em projeto com a Finaro e a Mastercard para validação de viagens com contactless

O projeto-piloto teve início agora e a implementação em toda a rede da Fertagus está prevista para novembro, servindo assim os mais de 90 mil passageiros que usam diariamente os comboios suburbanos entre Lisboa e a margem Sul.

A Fertagus, a Finaro e a Mastercard juntaram-se para desenvolver um projeto “que vai possibilitar a todos os utilizadores daquela empresa de transportes viajar de forma mais cómoda e fácil, recorrendo apenas ao seu cartão de pagamento contactless para validar as viagens”, anuncia a empresa de transportes públicos.

O projeto-piloto teve início agora e a implementação em toda a rede da Fertagus está prevista para novembro, servindo assim os mais de 90 mil passageiros que usam diariamente os comboios suburbanos entre Lisboa e a margem Sul.

Esta iniciativa é pioneira na região de Lisboa e é agora apresentada no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade 2022.

O projeto é mais uma das atividades no âmbito da parceria entre a Mastercard e o Grupo Barraqueiro, “que tem como principal objetivo dar resposta aos desafios da transformação digital no setor da mobilidade urbana em Portugal, através do recurso a soluções tecnológicas inovadoras, incluindo na área dos pagamentos dos títulos de transporte”, refere a empresa.

Com esta parceria, os utilizadores da Fertagus poderão, assim, utilizar o seu cartão de pagamento contactless para viajar nos comboios, sem necessidade de ter de perder tempo a comprar bilhete – “tornando o seu dia a dia mais agradável ao evitar filas de espera”.

Para além da Mastercard e da Fertagus, outro dos principais parceiros é a Finaro, um banco global que desenvolve soluções tecnológicas para pagamentos.

“A experiência internacional e capacidade interna de certificação e entrega de soluções levaram a Finaro a desempenhar um papel-chave enquanto “enabler” bancário do projeto, permitindo criar uma solução completa e com camadas de complexidade reduzidas – tanto para a Fertagus como os utilizadores finais”, lê-se no comunicado.

Entre os restantes parceiros contam-se a Axians, empresa do Grupo Vinci, e a Ubirider, uma start-up portuguesa.

Foi “a conjugação dos esforços de todos possibilitou a entrega do projeto em tempo recorde na indústria”, destacam.

A Fertagus chama-lhe “uma revolução já a acontecer no mundo dos transportes”, referindo-se à adoção dos pagamentos contactless em transportes públicos, o que evita a necessidade de os utilizadores terem de comprar previamente um título de transporte.

Com esta solução, o pagamento é feito através do cartão de pagamento contactless, diretamente nos validadores das estações, em equipamentos semelhantes àqueles em que habitualmente já são validados os títulos de transporte.

“Isto tem um impacto muito positivo para os utilizadores no que toca ao conforto e rapidez de acesso aos transportes públicos. Em paralelo, para os operadores os ganhos de eficiência e de qualidade da operação são exponenciais, como já ficou demonstrado em cidades como Londres, em que o operador local obteve uma redução de custos na ordem dos 35%, superior a 100 milhões de euros”, avança o comunicado.

De facto, desde o lançamento desta solução, em setembro de 2014, a Transportes de Londres (autocarros, metro e comboios) registou 3 vezes mais viagens, nas quais foram utilizados 19 milhões de cartões de pagamento contactless de mais cem países diferentes.

Maria Antónia Saldanha, Country Manager da Mastercardem Portugal, salienta no comunicado que “a adoção de soluções tecnológicas que permitem simplificar o pagamento de títulos de transporte público representa um passo de gigante, quer para os utilizadores, quer para os operadores, como já ficou demonstrado pelas implementações feitas noutras cidades e em que a Mastercard também esteve envolvida”.

“Portugal ainda tem um caminho longo a percorrer, mas estamos apostados em conseguir que esta parceria com o Grupo Barraqueiro e a Finaro possa impulsionar a necessária transição digital que os transportes públicos precisam ao nível das soluções de pagamento”, refere a nota.

Já Clara Esquível, administradora da Fertagus, considera que “soluções inovadoras como esta permitem aos utilizadores de transportes públicos uma maior facilidade de utilização dos sistemas e um ganho efetivo na qualidade do serviço prestado”.

“A Fertagus tem sido pioneira em Portugal em vários projetos inovadores, como é o caso da utilização do telemóvel para viajar e agora os cartões bancários contacless. Queremos que seja fácil para todos utilizar o comboio, mesmo que seja a primeira vez neste transporte, e os cartões bancários contacless permitem essa facilidade – para não mencionar o ganho ambiental que se regista com a poupança de bilhetes em papel”, conclui a gestora.

Por sua vez, David Jofre Tejada, VP Sales & Business Development – Iberia da Finaro, diz que “a solução end-to-end que desenvolvemos cobre todas as necessidades dos operadores envolvidos na jornada dos passageiros e simplifica o sistema de pagamento nos transportes. Estamos muito orgulhosos por contribuir para trazer esta inovação à região de Li­sboa em parceria com a Fertagus e a Mastercard, porque acreditamos na inovação e no progresso tecnológico como meios para melhorar a vida de todas as pessoas”.

Recomendadas

Prémio “João Vasconcelos – Empreendedor do ano 2022” atribuído aos fundadores da Coverflex

O prémio de “Empreendedor do Ano” foi entregue pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, e por Bernardo Correia, ‘country manager’ da Google Portugal, entidade parceira desta edição.

Empresa aeronáutica prevê 6 milhões para começar a produzir aviões em Cabo Verde

“Venho elaborando este projeto já há dois anos, criei a empresa Aeronáutica Checo-Cabo-verdiana, empresa que irá produzir os aviões da Orlican e Air Craft Industries em Cabo Verde”, afirma Mónica Sofia Duarte.

BPI e FCT financiam 20 projetos e nove ideias para o desenvolvimento sustentável no Interior

A edição de 2022 do Programa Promove, uma iniciativa da Fundação “la Caixa”, em colaboração com o BPI e em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), concedeu apoios a fundo perdido de perto de 3,6 milhões a um total de 20 projetos e nove ideias destinados a impulsionar o desenvolvimento sustentável de regiões do interior de Portugal.
Comentários