Fidelidade adquire 70% da Insurtech Prosperity Group

Fidelidade procura aumentar oferta de seguros de poupança com este negócio. Insurtech tem uma forte presença na Suíça e Alemanha, mas também na Áustria, Itália e Liechtenstein.

A Fidelidade anunciou ter fechado um acordo para a aquisição de 70% da Insurtech Prosperity Group, que está presente nos mercados suíço e alemão. O valor da operação não foi revelado, mas a seguradora portuguesa, controlada pela chinesa Fosun, revela que o negócio vai melhorar a oferta da Fidelidade em seguros de poupança. A conclusão do negócio está dependente, agora, da aprovação das autoridades de supervisão relevantes.

Em comunicado, a Fidelidade sublinha que “a operação assegura o controlo de gestão por parte da Fidelidade bem como a manutenção da equipa de gestão executiva, que reforça a sua posição acionista para 30%, num claro sinal de continuidade do projeto e de confiança no futuro da companhia”.

Para o presidente executivo da seguradora portuguesa, Rogério Campos Henriques, a Insurtech Prosperity Group “é uma empresa inovadora” que representa uma oportunidade de negócio importante. Afinal, mais de 98% dos seus clientes proveem da Suíça e Alemanha, “dois dos mercados europeus com o mais alto nível de sofisticação e maturidade nesta linha de negócio”.

“Com esta aquisição, a Fidelidade procura reforçar as suas competências e expandir o seu negócio, melhorando a sua oferta em seguros de poupança e disponibilizando soluções mais flexíveis aos seus parceiros de negócio na distribuição”, afirma Rogério Campos Henriques.

A Insurtech Prosperity Group tem como principal atividade o desenvolvimento de produtos de poupança de longo prazo. Além de estar presente na Suíça e Alemanha, esta seguradora tem atividade também na Áustria, Itália e Liechtenstein. O grupo Insurtech controla um total de 67 mil apólices, sendo que os prémios brutos em 2020 ascenderam a 145 milhões de euros. Já o volume de prémios globais comprometidos expectáveis superam os 4.000 milhões de euros, refere o comunicado.

 

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários