Fidelidade e Instituto Superior Técnico assinam parceria para criação de maior geração de talento

A Fidelidade e o Instituto Superior Técnico estabeleceram uma parceria para promover a inovação e tecnologia  (I&D) na área dos seguros.

A Fidelidade e o Instituto Superior Técnico estabeleceram uma parceria para promover a inovação e tecnologia  (I&D) na área dos seguros.

Essa parceria aposta na transferência de inovação e tecnologia entre as duas entidades para contribuir para a criação de uma maior geração de talento e conhecimento em seguros.

“A parceria para o desenvolvimento do ‘Centro de Inovação do Técnico powered by Fidelidade’, foi reforçada com a assinatura de um protocolo de colaboração para promover a investigação em seguros”, diz a companhia liderada por Rogério Campos Henriques.

A colaboração da Fidelidade com o IST, através do Técnico+, a escola de formação avançada pós-graduada e profissional do IST, vai apostar em iniciativas de formação avançada nas áreas de engenharia, arquitetura e tecnologia, para serem aplicadas na área dos seguros.

“Para uma maior proximidade institucional, a Fidelidade vai também participar na condução e concertação estratégica com o Presidente do Instituto Superior Técnico, envolvendo-se ainda nas principais atividades de search, JobShop, na procura de talentos no instituto, no desenvolvimento de um projeto integrador de 2º ciclo (Capstone), na formação avançada, através do Técnico+ e na aceleração de inovação com a organização de um Workshop Investigação-Indústria anual”, lê-se no comunicado

Para Rogério Campos Henriques, CEO da Fidelidade, com o aprofundar da relação com o IST, “a Fidelidade não pretende ser apenas mais um Mecenas, mas antes continuar a procurar nos seus alunos, futuros colaboradores da Seguradora; promovendo o aprofundamento da interligação entre a vertente académica e empresarial; e fomentando a aceleração da Inovação, desenvolvendo projetos conjuntos de I&D, de interesse mútuo que cruzem os projetos que interessam à Fidelidade com a capacidade de investigação e desenvolvimento do IST”.

Recomendadas

BCP entregou 1,16 milhões de euros em ações aos administradores executivos e diretores

Miguel Maya recebeu 1.218.162 ações do BCP, o que, tendo em conta o valor das ações a 24 de junho, de 0,1775 euros, perfaz um total de 216,2 mil euros de remuneração variável atribuída ao CEO. Miguel Bragança, CFO e vice-presidente do banco, recebeu em ações do BCP, a título de remuneração variável, 962.486 ações equivalente a 171 mil euros. O outro vice-presidente, João Nuno Palma, recebeu 937.685 ações, ou 166,5 mil euros.

Montepio. Tomás Correia diz que nunca houve alerta de risco no investimento na PT

O antigo presidente do Montepio, Tomás Correia, disse esta segunda-feira ao Tribunal da Concorrência que nunca houve qualquer indicação de risco na compra de obrigações relacionadas com a PT e que não passou por si a autorização da operação.

BPI e FPF renovam parceria e alargam apoio ao futebol feminino

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e o BPI anunciaram a renovação da parceria até 2024, tendo a assinatura do novo acordo ocorrido esta segunda-feira na Cidade do Futebol.
Comentários