Seguro. Fidelidade lança proteção fora das 9 às 5 horas e aos fins-de-semana

Não é um contrato de seguro comum e não se aplica às situações onde os seguros são obrigatórios, caso do seguro automóvel ou acidentes de trabalho, mas abrange mais de dois terços do tempo de vida dos cidadãos. O “Proteção Vital das Pessoas” da Fidelidade funciona nos períodos em que a família não está abrangida […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Não é um contrato de seguro comum e não se aplica às situações onde os seguros são obrigatórios, caso do seguro automóvel ou acidentes de trabalho, mas abrange mais de dois terços do tempo de vida dos cidadãos.

O “Proteção Vital das Pessoas” da Fidelidade funciona nos períodos em que a família não está abrangida por tudo o que é obrigatório. É quase um seguro fora das 9 às 5 horas e aos fins-de-semana, adianta Sérgio Carvalho, responsável do marketing da companhia. O que está por detrás desta proposta é a tentativa de quebrar o conceito economicista, pois o subscritor acede a um serviço e funciona num modelo de complementaridade dos seguros obrigatórios. O âmbito bem definido evita os problemas habituais de exclusões que o segurado diz desconhecer.

Em termos comerciais a companhia salienta que este é o primeiro seguro que protege 24h, que começa onde os outros acabam, assegurando a proteção médica e financeira das pessoas quando não estão cobertas pelos seguros obrigatórios, nomeadamente seguros de automóvel e de acidentes de trabalho. O seguro Proteção Vital das Pessoas inova o mercado com a oferta de um produto único com uma proteção abrangente, assente no compromisso WeCare, um projeto pioneiro que apoia a reabilitação física e a reintegração social, profissional e familiar de quem sofre um acidente com consequências físicas graves.

Em termos de garantias, esta solução vai além do pagamento de uma indeminização ou reembolso de despesas de tratamento. O Plano Proteção Vital tem um capital global de 500 mil euros por anuidade, pessoa segura e sinistro e garante, sempre que possível, o pagamento direto dos serviços hospitalares e médicos, não sendo necessário antecipar valores. Por outro lado como está assente no conceito de estar sempre presente na proteção das pessoas e pretendendo minimizar o impacto de incidentes nas suas vidas, assegura, em caso de acidente grave que impossibilite de trabalhar, uma compensação pela perda de rendimentos, em forma de renda mensal ou sistema misto de renda e capital. Em caso de incapacidade permanente da pessoa segura, assegura uma indemnização por perda de oportunidade no caso dos jovens ou mesmo a adaptação de veículo, residência ou posto de trabalho.

Permite inclusive a constituição de um seguro de capitalização para assegurar a formação superior de filhos dependentes em caso de morte da pessoa segura.

OJE

 

Recomendadas

TAP fez 42 voos de serviços mínimos esta manhã

A companhia diz que, até às 11h30, operou os 78 voos dos 148 voos previstos para hoje e, dos 64 voos de serviços mínimos agendados, operou os 42 estabelecidos, no contexto da greve convocada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil.

Greve na TAP. “Não vemos qualquer perturbação hoje a afectar os nossos clientes”, diz CEO

A TAP enfrenta hoje o primeiro de dois dias de greve convocada pelo sindicato dos tripulantes de cabine SNPVAC. Em entrevista ao Jornal Económico (que sairá na íntegra na edição de sexta-feira), a CEO da companhia, a francesa Christine Ourmiere-Widemer, diz que os clientes não estão a ser afetados pela paralisação.

TAP: Sindicato fala em adesão total à greve de tripulantes até às 08:30

“O balanço é prematuro, uma operação da TAP inicia-se por volta das 05:30 da manhã, o que sabemos até à data é que nenhum voo saiu sem ser serviços mínimos ou Portugália, portanto até agora a adesão é total”, disse à Lusa o presidente do SNPVAC, Ricardo Penarroias, no aeroporto de Lisboa, cuja operação, às primeiras horas da manhã, funcionava dentro da normalidade.