FIFA. Blatter e Platini apanhados pela justiça suíça

Rebentou novo escândalo a envolver  a FIFA. E desta vez, as acusações comprometem não só o atual presidente da FIFA (o demissionário Joseph Blatter) como aquele que é apontado como seu sucessor, o responsável máximo da UEFA, Michel Platini. O Ministério Público da Suíça abriu um processo criminal ao presidente da FIFA, Joseph Blatter, e […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Rebentou novo escândalo a envolver  a FIFA. E desta vez, as acusações comprometem não só o atual presidente da FIFA (o demissionário Joseph Blatter) como aquele que é apontado como seu sucessor, o responsável máximo da UEFA, Michel Platini.

O Ministério Público da Suíça abriu um processo criminal ao presidente da FIFA, Joseph Blatter, e implicou o líder da UEFA, Michel Platini, no escândalo de corrupção que abala o organismo que tutela o futebol mundial.

Em comunicado, a procuradoria suíça esclarece que abriu um processo criminal contra Blatter “por suspeita de má gestão e apropriação indevida”. O ainda presidente da FIFA terá sido interrogado esta sexta-feira pelas autoridades judiciais na sede do organismo em Zurique onde foram também efetuadas buscas e apreendidos documentos, tal como anunciou o Tribunal Federal da Suíça.

Neste processo, também está envolvido Platini, candidato à sucessão de Blatter nas eleições de fevereiro na FIFA, por, alegadamente, ter recebido do suíço “um pagamento ilegal” de dois milhões de francos suíços (cerca de 1,8 milhões de euros).

A FIFA foi abalada por um escândalo de corrupção em maio, a dois dias da reeleição de Blatter, num processo aberto pela justiça dos Estados Unidos e que levou a acusações a 14 dirigentes e ex-dirigentes.

No início de junho, Blatter apresentou a demissão, abrindo o caminho para novas eleições, marcadas para 26 de fevereiro.

Além de Platini, são também candidatos à presidência da FIFA o príncipe jordano Ali bin Al Hussein, antigo vice-presidente da FIFA, o sul-coreano Chung Mong-Joon, também antigo vice-presidente da FIFA, e o ex-futebolista brasileiro Zico.

Advogado de Blatter confiante

Entretanto, já entrou em cena o advogado de Joseph Blatter. O defensor do presidente da FIFA mostrou-se confiante na inocência do seu cliente. “O Sr. Blatter está a cooperar e estamos confiantes de que, quando as autoridades suíças tiverem a oportunidade de rever os documentos e as provas, vão ver que o contrato foi devidamente preparado e negociado pelos funcionários da FIFA”, disse Richard Cullen em comunicado.

O ato de má gestão diz respeito a um acordo entre a FIFA e a Federação de Futebol das Caraíbas, que, segundo o Ministério Publico da Suíça, foi prejudicial para a FIFA. O advogado de Blatter já veio negar tal prática.

OJE

Recomendadas

Migrantes mais vulneráveis ao tráfico e usura devido à pandemia, alerta Aliança Internacional de Migrantes

A Aliança Internacional de Migrantes (IMA, na sigla em inglês) vai realizar, a partir de quarta-feira e durante quatro dias, a primeira assembleia geral desde o início da pandemia, reunindo na capital da Tailândia, Banguecoque, cerca de 150 representantes de mais de 30 países, incluindo Jenny Uchuari, representantes dos imigrantes do Equador no Brasil.

Presidente de Taiwan falha estratégia de usar a China como ameaça

Tsai Ing-wen renunciou ao cargo de líder do Partido Democrático Progressista depois de a sua estratégia de enquadrar as eleições locais como uma demonstração de desafio à China não ter conquistado o eleitorado.

NATO Industrial Advisory reúne com a indústria da defesa em Gaia

Órgão consultivo e de assessoria de alto-nível que atua como foco e porta-voz das indústrias e das associações nacionais de defesa e segurança junto da NATO, reúne de 28 a 30 de novembro com 51 entidades de 25 países.