Filipe Carrera: “O consumo será cada vez mais multimédia”

O especialista em marketing digital diz que não se tem trabalhado muito na transformação digital do humanos, e que vê profissionais e empresas com pouca preparação para o multimédia.

O coordenador da pós-graduação em marketing digital no IPAM e criador da Knowledge Pills Methodologhy (KPM), Filipe Carrera, diz que o futuro do consumo vai passar pelo uso do multimédia, e que os consumidores e as empresas têm que estar preparados para esta realidade. Alerta que se fala muito de transformação digital mas que no entanto não se trabalha muito na transformação digital dos humanos.

“Temos tecnologia que nos permite fazer coisas que não andamos a fazer porque não há adopção desta tecnologia”, sublinha, Filipe Carrera, que já conta com apresentações em 50 países, em quatro continentes.

O especialista em marketing digital sublinha que existem vários tipos de velocidade: a da inovação, da mudança de comportamentos, e a da mudança na legislação.

“Quando queremos perceber o que vai acontecer tem que ver com os comportamentos”, diz.

Filipe Carrera alerta que é preciso entender a importância que o multimédia possui e também da comunicação através do vídeo.

“Faz-me confusão que tanto profissionais, marcas, empresas, descurem por completo a sua apresentação perante o mercado utilizando o vídeo, fotografia, quando redes como o Instagram, Snapchat e Tik-Tok estão a crescer e redes como o Facebook, Linkedin, Twitter viraram-se para o multimédia. Não é um acaso”, alerta.

Filipe Carrera afirma que vê pouca preparação tanto de profissionais como de empresas para o multimédia. “Vamos ser desafiados a criar cada vez mais conteúdo multimédia”, reforça.

O coordenador de marketing digital do IPAM diz que o problema está nas pessoas. “As empresas são formadas por pessoas e as pessoas têm medo e receio e coisas desse género. Não é problemas das empresas é das pessoas. As empresas fazem o que as pessoas que estão lá querem fazer. Não acredito em cultura da organização, acredito em culturas das pessoas e nos seus valores”, sublinha.

Filipe Carrera diz que existe dificuldade na comunicação direta com a audiência porque “não se desenvolveu” essas competências.

“Posso aprender técnicas de apresentação em público, mas a melhor maneira é praticar, depois de receber formação idealmente”, explica.

“De repente vai ser habitual que processos de recrutamento sejam feitos através de apresentação por vídeo. O maior desafio é dos próprios profissionais, em adoptar o multimédia. As organizações vão chegar a um momento em que vão obrigar as pessoas a utilizar o multimédia”, destaca Filipe Carrera, que acrescenta que o mesmo é válido para as empresas.

É preciso antecipar a mudança

O especialista em marketing digital sublinha que é necessário que se seja capaz de se antecipar a mudança, e nos adaptarmos antes da mudança acontecer.

“Não temos percepção que os dinossauros se extinguiram porque não se adaptaram. Os dinossauros antes de se extinguirem estavam bem”, sublinha.

Filipe Carrera rejeita também a ideia de que em equipa vencedora não se mexe. “E eu pergunto quando é que se mexe”, acrescenta.

“Vivemos numa realidade em mutação constante. Se nos mantemos iguais, sem mudar, numa realidade em mutação, mais cedo ou mais tarde estamos deslocados da realidade. Se tudo muda e nós não a certa altura já não estamos na realidade”, exemplifica.

“Estamos a criar uma cultura de sermos avessos ao risco. Quanto mais as pessoas têm zona de conforto mais avessas são ao risco”, alerta.

Leia aqui a intenção do IPAM em trazer o marketing digital para a região autónoma. Edição do Económico Madeira de 6 de dezembro.

Recomendadas

Hoje é celebrado o Dia Internacional da Consciencialização sobre Perdas e Desperdício Alimentar

Na Europa, todos os anos, cerca de 89 milhões de toneladas de alimentos são deitados ao lixo. Em Portugal, estima-se que cada português desperdice cerca de 134 kg de alimentos por ano. Enquanto isto 1/6 da população mundial passa fome.

Madeira: Serviço Regional de Saúde visita Unidade de Ação Social do Hospital Garcia da Orta

A Unidade de Ação Social do SESARAM observou e conheceu a dinâmica e a metodologia de trabalho implementada na UHD do hospital e, em particular, a área de intervenção social.

Madeira: Acordos de gestão entre a Segurança Social e as IPSS vão passar para 20 anos

Neste sentido, com a presente alteração pretende-se adequar a duração dos acordos de gestão que envolvam a cedência de utilização do edificado em regime de comodato, onde sejam desenvolvidas respostas sociais, numa lógica de melhor aproveitamento dos recursos disponíveis.
Comentários