Filipinas preparam-se para a chegada de “supertufão” Noru

Segundo a Agência de Desastres Meteorológicos filipina, o tufão Noru (Karding, nas Filipinas) entrou na categoria de ‘supertufão’, após um período de “intensificação explosiva”, com ventos de até 185 quilómetros por hora.

Manila, Filipinas

As autoridades filipinas iniciaram hoje trabalhos de evacuação em zonas costeiras e suspenderam o tráfego marítimo de centenas de passageiros, enquanto a ilha de Luzon, onde se encontra a capital, Manila, se prepara para a chegada do ‘supertufão’ Noru.

Segundo a Agência de Desastres Meteorológicos filipina, o tufão Noru (Karding, nas Filipinas) entrou na categoria de ‘supertufão’, após um período de “intensificação explosiva”, com ventos de até 185 quilómetros por hora.

Espera-se que o supertufão — o décimo primeiro do ano — provoque chuvas torrenciais e ventos fortes na região de Luzon Central, no norte de Manila, que também se prepara para ser atingida pelos efeitos do Noru.

A previsão é que o tufão chegue a terra esta tarde na parte norte da província da província de Quezon, em Calabarzon, ou pelo sul da contígua província de Aurora, situadas na mesma região de Luzón Central, segundo a PAGASA, a Administração de Serviços Atmosféricos, Geofísicos e Astronómicos das Filipinas.

Este serviço havia dito anteriormente que poderia chegar a terra pelas ilhas Polillo, também na província de Quezon, depois do meio-dia.

Noru é o 11.º ciclone tropical que atinge as Filipinas este ano e espera-se que provoque chuvas torrenciais na zona da capital de províncias vizinhas.

“Felizmente, este tufão move-se rápido, apesar de gerar ventos fortes”, disse o porta-voz da Agência Nacional de Desastres, Bernardo Rafaelito Alejandro, ao Canal News Asia.

As autoridades alertaram para possíveis deslizamentos de terra, inundações e ventos destrutivos, enquanto a guarda costeira filipina apontou que mais de 1.200 passageiros e 28 barcos foram parados em portos do sul da capital.

Recomendadas

Peru: Vice-Presidente investida como nova chefe de Estado

Dina Boluarte, anterior vice-presidente peruana, foi empossada como a nova chefe de Estado, depois de Pedro Castillo ter sido destituído pelo Congresso, acusado de tentar executar um golpe de Estado ao anunciar a dissolução daquele órgão.

Irão: Greve resulta em mais um dia de repressão de protestos estudantis

O Irão viveu mais uma jornada de greve com o comércio parcialmente fechado e manifestações de estudantes universitários contra o regime, reprimidas pelas forças de segurança.

São-tomenses pedem intervenção de Guterres para “evitar mais sangue”

Uma petição lançada pelo analista político são-tomense Danilo Salvaterra, com mais de 600 assinaturas, pede a intervenção direta do secretário-geral da ONU para evitar mais derramamento de sangue.
Comentários