Financiamento auto: 4 soluções para comprar o carro

Quer comprar um carro, mas não sabe qual é a melhor forma de o pagar? Conheça quatro soluções de financiamento auto para o seu próximo veículo de sonho.

Escolher o carro de sonho é só o primeiro passo. Depois, é necessário encontrar a forma de o pagar mais adequada para cada caso. Há várias opções de financiamento auto a considerar para tomar uma decisão acertada. Descubra qual é a mais adequada ao seu perfil neste artigo realizado pelo ComparaJá.

Quatro soluções de financiamento auto

Atualmente, existem quatro formas principais de financiamento auto para adquirir um carro, seja novo ou usado. Passamos as descrever as principais características de cada uma.

1. Crédito Automóvel

O crédito automóvel é a forma de financiamento auto mais utilizada em Portugal. O crédito pode ser contratado junto de bancos ou de concessionárias, que lhe emprestam o montante para adquirir o veículo mediante o pagamento de mensalidades, acrescido de juros.

É relativamente fácil obter um crédito automóvel, se tiver uma situação financeira e bancária saudáveis. O financiamento é a 100%, não sendo, por isso, necessário dar um valor de entrada e os prazos são extensos, podendo ir até 120 meses, o que permite pagar as mensalidades sem grandes dificuldades.

A maioria dos créditos automóvel preveem a reserva de propriedade, ou seja, o cliente é identificado como dono da viatura, mas a entidade financeira faz a reserva de propriedade. Esta modalidade funciona como uma garantia para o banco, na medida em que toma posse da viatura caso o cliente não venha a ser capaz de pagar as mensalidades até ao fim do contrato.

Quando não existe reserva de propriedade, a instituição financeira poderá pedir outro tipo de garantias, como, por exemplo, uma fiança. Por fim, na maioria dos créditos automóveis, não é obrigado a fazer um seguro de danos próprios.

2. Leasing

O Leasing é um modelo de financiamento auto usado para comprar automóveis novos ou usados. A empresa que concede o empréstimo (locadora) é proprietária do veículo, e cede o direito de utilização temporária do mesmo ao cliente (locatário). Normalmente, os prazos variam entre 12 e 96 meses.

No final do contrato, o locatário tem a opção de ficar com o veículo, pagando o montante que resta até perfazer o valor comercial do carro. Assim, o cliente não é proprietário do veículo ao longo do contrato e paga apenas para o utilizar, mas, terminando o contrato, poderá passar a sê-lo.

Caso o cliente não pretenda ficar com o veículo, pode fazer um novo contrato de Leasing com outra viatura, sendo por isso uma boa forma de estrear um carro novo várias vezes.

A principal vantagem do Leasing relativamente ao crédito automóvel é o facto de envolver, em média, juros mais baixos. Contudo, o contrato de Leasing estabelece o número de quilómetros que o locatário pode fazer, por mês ou por ano.

A este respeito, é importante fazer uma previsão realista dos quilómetros que vai realizar, porque, caso venha a ultrapassar este limite, encontra-se sujeito a um pagamento adicional pelos quilómetros em excesso, também previsto no contrato.

3. Aluguer de Longa Duração (ALD)

O Aluguer de Longa Duração é em tudo semelhante ao Leasing, com a única diferença que, neste caso, o locatário é obrigado a ficar com a viatura no final do contrato.

Nesta altura, o cliente terá de pagar o valor residual e comprar o carro de acordo com o valor estabelecido aquando da celebração do contrato. De seguida, a locadora procederá à transferência da propriedade da viatura para o seu nome.

Durante o contrato, é possível definir mensalidades de valores diferentes, ajustados a cada período de vida, de acordo com as capacidades e necessidades do cliente. Por exemplo, se estiver num período de maior contenção financeira, poderá pagar uma mensalidade mais baixa, compensando o valor nos meses finais do contrato ou quando a sua situação se regularizar.

Além disso, os prazos de financiamento são, normalmente, alargados (até cinco anos), fazendo com as mensalidades não sejam demasiado altas.

4. Renting

O Renting é uma outra forma de financiamento auto, se bem que não implica a compra. Consiste no aluguer de um automóvel durante um período de 12 a 72 meses e/ou através do número de quilómetros previstos no contrato. O Renting distingue-se das duas modalidades de financiamento auto anteriores, na medida em que inclui vários serviços extra associados à utilização do automóvel.

Por exemplo, o renting pode incluir seguro de danos próprios, gestão de acidentes em que a viatura possa ser envolvida, manutenção dos pneus, inspeções ou impostos. Contudo, se algo se danificar no veículo, o preço a pagar mensalmente vai aumentar.

Assim, a principal vantagem deste tipo de financiamento auto reside, sobretudo, na comodidade: o condutor não tem de tratar da maior parte dos aspetos burocráticos, técnicos e fiscais, que são assegurados pela locadora. Esta é um tipo de financiamento auto ideal para quem quer conduzir um carro sem preocupações não pretenda ficar com ele no final do contrato, dado que o locatário apenas aluga a viatura sem ser, em momento algum, proprietário da mesma.

Compreendendo como funcionam e quais as vantagens destes quatro tipos de financiamento auto, resta agora escolher a que melhor se adequa ao seu perfil. Para alguns consumidores, pode ser mais vantajoso obter o crédito automóvel, enquanto para outros preferem usufruir da condução de um carro novo com mais frequência. Como em qualquer escolha financeira, é importante analisar, comparar e ponderar todas as vantagens e desvantagens para tomar a decisão acertada.

Relacionadas

5 Dicas para ficar livre de dívidas

O ComparaJá reuniu 5 dicas para melhorar a sua saúde financeira este ano e ficar livre de dívidas para que possa desfrutar da sua vida sem encargos.

Leasing Auto: o que é e como funciona?

Se gostava de conduzir um carro sempre atualizado sem necessidade de se descapitalizar, o Leasing Auto pode ser uma solução. Descubra como funciona.

Cinco sinais de que as dívidas estão a ficar descontroladas

Nos últimos anos, especialmente após a eclosão da crise das dívidas soberanas, o sobreendividamento passou a ser uma realidade em Portugal.

Análise de crédito: o que influencia os bancos a emprestar dinheiro?

Na hora de pedir um financiamento, os bancos fazem uma análise de crédito ao cliente. Saiba quais os fatores que influenciam esta tomada de decisão.

Transferência de crédito: o que é, vantagens e novos prazos

Se está a considerar uma transferência de crédito para outra instituição bancária, saiba como são calculados os prazos e veja se é uma boa solução para si.

Como renegociar crédito? Tudo o que precisa de saber

Antes de falar com o banco para renegociar crédito existem aspetos a considerar. Saiba tudo e reduza o valor total da dívida e a sua prestação mensal.
Recomendadas

O que é o spread no crédito à habitação e como saber se está adequado? Saiba aqui

Para quem contratou crédito à habitação há mais de dez anos é possível que esteja a pagar um spread elevado, se comparado com o atualmente praticado no mercado. Atualmente há ofertas bancárias com spreads abaixo de 1% no crédito à habitação, com bancos a oferecer spreads de 0,85%.

IKEA sobe 250 euros no salário de entrada que passa para mil já em janeiro

Ao novo salário base de entrada acresce o subsídio de alimentação, que também foi atualizado recentemente para seis euros, seguro de saúde, ajuda à parentalidade e o pagamento de bónus se os objetivos do negócio forem atingidos.

Há sete anos que o desemprego jovem é mais do dobro da taxa global, alerta estudo (com áudio)

Desde 2015 que o desemprego jovem é mais de 2,5 vezes superior ao desemprego total. Livro Branco recomenda nomeadamente reestruturação do sistema produtivo e melhoria da articulação entre o ensino e o mercado laboral.
Comentários