Financiamento barato “é uma coisa do passado” em África

Numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, os analistas escrevem que “o mundo mudou e o financiamento barato dos orçamentos nos mercados de fronteira é uma coisa do passado, no ambiente atual, as nações africanas vão enfrentar um conjunto mais pequeno de investidores num contexto de inflação galopante e riscos cambiais”.

A consultora Oxford Economics considerou hoje que o “financiamento barato é uma coisa do passado”, principalmente para os mercados de fronteira, entre os quais está o continente africano, que vai enfrentar menos financiadores e mais inflação-

Numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, os analistas escrevem que “o mundo mudou e o financiamento barato dos orçamentos nos mercados de fronteira é uma coisa do passado, no ambiente atual, as nações africanas vão enfrentar um conjunto mais pequeno de investidores num contexto de inflação galopante e riscos cambiais”.

O relatório sobre as condições de financiamento dos países africanos nota que apesar das dificuldades, os países africanos têm “avenidas de financiamento” que estão disponíveis e que devem ser usadas para compensar o aumento dos custos de financiamento.

“Acreditamos que há avenidas de financiamento que podem ser exploradas, incluindo uma maior utilização das opções de financiamento concessional, preferencialmente sustentado numa iniciativa do Banco Mundial ou do Fundo Monetário Internacional, e os títulos de dívida ambientais, sociais e de governação (ESG, na sigla em inglês) também oferecem um preço competitivo e apoiam a governação e a responsabilização”, lê-se ainda no relatório.

Os analistas da Oxford Economics chamam a atenção para a possibilidade de chegar a haver um défice de financiamento devido à redução da liquidez disponível nos mercados internacionais, num contexto que, alertam, “não é favorável às boas condições de financiamento para os frágeis emissores africanos, o que obriga as nações que se querem endividar a explorar opções alternativas de financiamento”.

Uma dessas opções, notam, é o endividamento interno, como Angola está a tentar fazer, aproveitando o lançamento da bolsa de valores e o interesse de investidores estrangeiros na economia local devido ao bom momento das condições macroeconómicas.

 

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira, 10 de agosto

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta quarta-feira.

Volume de negócios nos serviços desacelerou para 19,6%

O decréscimo traduz-se num abrandamento de 4,6 pontos percentuais (p.p.) face ao observado em maio.

INE confirma inflação de julho em 9,1%, valor mais alto desde 1992 (com áudio)

Há quase 30 anos que os preços em Portugal não subiam tão rapidamente, confirmou esta quarta-feira o INE. A energia continua a ser o principal motor desta evolução, enquanto os bens alimentares não-transformados também vão acelerando.
Comentários