Financiamento climático do Banco Mundial sobe 19% para 31,7 mil milhões de dólares

O Banco Mundial financiou, no ano fiscal que terminou em junho, 31,7 mil milhões de dólares em iniciativas para combater e mitigar as alterações climáticas. Um novo recorde.

O Banco Mundial financiou, no ano fiscal que terminou em junho, 31,7 mil milhões de dólares em iniciativas para combater e mitigar as alterações climáticas, mais 19% que no ano anterior, um novo recorde.

O Banco Mundial financiou, no ano fiscal que terminou em junho, 31,7 mil milhões de dólares em iniciativas para combater e mitigar as alterações climáticas, mais 19% que no ano anterior, um novo recorde.

“O Grupo Banco Mundial garantiu um recorde de 31,7 mil milhões de dólares [31,3 mil milhões de euros] no ano fiscal de 2022 para ajudar os países a lidarem com as alterações climáticas, um aumento de 19% face aos 26,6 mil milhões de dólares [26,3 mil milhões de euros], o maior montante de sempre, alcançado no ano fiscal anterior”, lê-se num comunicado da instituição financeira multilateral.

“Vamos continuar a dar soluções ao financiamento em comum da comunidade global para financiar projetos à escala e com impacto que reduzam as emissões nocivas para o ambiente, melhorem a resiliência e facilitem a atuação do setor privado”, comentou o presidente do Banco Mundial, David Malpass, citado no comunicado.

Os montantes em causa foram desembolsados entre 1 de julho de 2021 e 30 de junho de 2022, representando 36% do total de financiamento dado pelo Banco Mundial, o que “ultrapassa o Plano de Ação sobre a Mudança Climática de 2021 a 2025, que previa que 35% de todos os desembolsos do banco fossem para a ação climática”.

Recomendadas

Câmara de Lisboa alerta para “chuva persistente” prevista para sábado à noite

A autarquia pediu para que a população tome precauções. A Câmara de Lisboa disse que os agentes de Proteção Civil da cidade, os serviços operacionais municipais e elementos das Juntas de Freguesia “estão de prevenção para a mais pronta resposta à cidade”.

Novo comandante da GNR da Guarda afirma-se intolerante a atos racistas e xenófobos

O novo comandante disse que não vai tolerar “comportamentos ou atos de discriminação, racismo, xenofobia, ou qualquer outra forma que atente contra a dignidade humana e os direitos fundamentais”.

Ucrânia: secretário-geral da NATO teme que conflito alastre para guerra global

O secretário-geral da NATO alertou que os combates na Ucrânia podem sair do controlo e o atual conflito transformar-se numa guerra entre a Rússia e a NATO.
Comentários