Financiamento das administrações públicas até abril com queda anual de 74,6%

As administrações públicas financiaram-se através de emissões líquidas de títulos no montante de 9,6 mil milhões de euros. Em contrapartida, o financiamento das administrações públicas por intermédio de empréstimos bancários deduzidos de depósitos foi negativo em 7,8 mil milhões de euros, revela o BdP.

O Banco de Portugal publica hoje as estatísticas do financiamento das administrações públicas atualizadas para abril de 2022. Nelas se vê que as instituições do Estado financiaram-se em 1,8 mil milhões de euros até abril.

“Nos primeiros quatro meses de 2022, o financiamento das administrações públicas foi de 1,8 mil milhões de euros, valor que compara com 7,1 mil milhões de euros registados em igual período de 2021”, lê-se no comunicado do BdP. Isto significa uma queda face aos quatro meses de 2021 de 74,6%.

Em detalhe o regulador da banca diz que “o exterior financiou as administrações públicas em 4,7 mil milhões de euros”. Mas em contrapartida, o financiamento concedido pelos bancos foi negativo em 2,2 mil milhões de euros, acrescenta o BdP.

“O financiamento às administrações públicas pelos outros setores residentes também foi negativo (-0,7 mil milhões de euros), designadamente pelos particulares, por via da amortização de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV)”, refere o Banco de Portugal que acrescenta que “um financiamento líquido negativo indica que as aquisições líquidas de ativos financeiros pelas administrações públicas foram superiores às emissões deduzidas de amortizações dos passivos, ou seja, as administrações públicas utilizaram parte dos fundos obtidos para financiarem outros setores da economia”.

Uma análise por instrumento mostra que as administrações públicas se financiaram através de emissões líquidas de títulos no montante de 9,6 mil milhões de euros. Em contrapartida, o financiamento das administrações públicas por intermédio de empréstimos deduzidos de depósitos foi negativo em 7,8 mil milhões de euros, revela o BdP.

Recomendadas

“Não me choca que haja ajustamentos salariais que acompanhem a inflação”, diz Teixeira dos Santos

Na atual conjuntura, Teixeira dos Santos diz o Estado não pode corrigir o comportamento dos mercados. Sobre os salários, diz que não vê perigo em eventuais ajustamentos em linha com a inflação.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

NATO. Stoltenberg responsabiliza Putin pela crise alimentar global

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, responsabilizou esta quinta-feira a Rússia pela crise alimentar global por ter invadido a Ucrânia e assegurou o empenho dos aliados em encontrar soluções para retomar a exportação de cereais ucranianos.
Comentários