Finerge compra seis centrais solares em Espanha

A operação está avaliada em 23,5 milhões de euros. Com esta operação, a Finerge realizou quatro aquisições este ano.

A companhia portuguesa de energias renováveis Finerge comprou seis centrais solares em Espanha. A operação está avaliada em 23,5 milhões, anunciou a empresa esta quarta-feira, 18 de dezembro.

As centrais com uma capacidade total de 8,1 megawatts (MW) foram vendidas pela Martifer Renovables, empresa detida pela portuguesa Martifer.

“A entrada em Espanha era algo natural para a Finerge. O crescimento internacional da empresa sempre esteve na nossa estratégia e este é o primeiro passo”, disse em comunicado o presidente executivo da Finerge, Pedro Norton.

As seis centrais solares fotovoltaicas ficam localizadas em Huelva e Sevilha, na Andaluzia, e em Salamanca, Castela-La Mancha, e geram anualmente cinco milhões de euros em receitas.

Além das novas centrais, a Finerge conta com um total de 45 parques eólicos em Portugal. No total, detêm uma capacidade instalada de 1.049 megawatts (MW), com uma produção anual de 2.400 gigawatts hora (GWh).

Em funcionamento desde 2008, as seis centrais têm uma capacidade total instalada de 8,1MW. Com este investimento, a empresa liderada por Pedro Norton passa a ter uma produção anual estimada conjunta de 2400 GWh.

A empresa faturou 170 milhões em 2018, mais 5,3% face a 2017. Este ano, a companhia “acelerou o seu crescimento”, tal “como previsto”. Contando com esta operação, a Finerge realizou quatro aquisições este ano.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários