Premium“Finerge está a olhar para vários mercados europeus” diz Pedro Norton

A Finerge entrou no mercado espanhol com a aquisição de seis centrais solares. O futuro da segunda maior produtora eólica em Portugal deverá passar por mais investimento no solar e a entrada em mais mercados.

A energia solar é uma das apostas estratégicas da Finerge nos próximos anos. Com uma posição consolidada na energia eólica, segundo maior produtor nacional, a companhia acredita que o crescimento passa agora pelo energia produzida a partir do astro-rei.

“O solar é um caminho natural. Já tinha referido anteriormente que é uma das formas que a Finerge tem para acelerar o seu crescimento, nomeadamente em Portugal que crescerá sobretudo no solar. Começámos em Espanha com a aquisição destes seis parques, mas esperamos não ficar por aqui”, disse o presidente executivo da Finerge, Pedro Norton, ao Jornal Económico.

O Governo anunciou esta semana que pretende aumentar a capacidade solar do país. Até 2021, o Executivo deAntónio Costa pretende lançar vários leilões de energia solar com o objetivo de aumentar em dois gigawatts a capacidade de energia solar fotovoltaica.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

O banco nigeriano Access Bank garantiu 51% das ações da Montepio Holding, materializando a sua intenção de comprar o Finibanco Angola com uma participação de controlo, uma operação que Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, justifica com a determinação do grupo em aproveitar oportunidades fora daquele país localizado no Golfo da Guiné. 

JCDecaux ganha um contrato de 10 anos com a ViaQuatro no Brasil

A JCDecaux ganha um contrato de 10 anos com a ViaQuatro para a exploração de espaços publicitários na linha 4 do metro de São Paulo, tornando-se no maior grupo de meios no metro do Brasil.

Timor Gap regista novas imparidades devido a investimento no consórcio do Greater Sunrise

O relatório anual da petrolífera, a que a Lusa teve acesso, regista um lucro operacional negativo de mais de 26 milhões de dólares (26,1 milhões de euros), explicando que “o aumento da perda líquida se deve principalmente às perdas por imparidade”.
Comentários