Finlândia fecha fronteiras a turistas russos após mobilização parcial levar cidadãos a fugir

“Estamos numa situação em que a Rússia ataca a Ucrânia e os ucranianos não têm a possibilidade de ir ao exterior fazer uma boa refeição e aproveitar a vida. Então, o grande dilema é por que os russos podem?”, questionou o chefe da unidade de assuntos internacionais da guarda de fronteira finlandesa.

7 – Finlandia

A Finlândia está a fechar as fronteiras para turistas russos com vistos Schengen motivada pela ordem de mobilização parcial de cidadãos imposta por Vladimir Putin que levou multidões a fugir do país nos últimos dias. A medida entra em vigor a partir da meia noite (21h00 em Lisboa).

Segundo o “The Guardian”, a Finlândia justifica a medida devido ao facto da entrada de cidadãos russos com vistos Schengen estar a prejudicar a reputação internacional da Finlândia e a debilitar o apoio do país à Ucrânia, segundo afirmou Matti Pitkäniitty, chefe da unidade de assuntos internacionais da guarda de fronteira finlandesa.

De acordo com a lei da União Europeia (UE), o governo finlandês pode impedir a entrada de cidadãos de fora da UE se perceber “uma ameaça às relações internacionais”.

“Estamos numa situação em que a Rússia ataca a Ucrânia e os ucranianos não têm a possibilidade de ir ao exterior fazer uma boa refeição e aproveitar a vida. Então, o grande dilema é por que os russos podem?”, questionou Pitkäniitty ao jornal britânico.

Matti Pitkäniitty afirmou que cada passageiro que procurasse entrar na Finlândia vindo da Rússia terá que responder a questões relacionadas com o motivo da ida à Finlândia, tais como se tem familiares no país, se tem algum negócio a tratar ou se é estudante na Finlândia. Caso nenhuma resposta seja positiva, a entrada é recusada. Uma outra exceção prende-se com uma ida à Finlândia por motivos humanitários, inclusive pacientes russos com relacionamento estabelecido com médicos finlandeses.

Por outro lado, o chefe da unidade de assuntos internacionais da guarda de fronteira finlandesa informou que cidadãos russos podem solicitar asilo na Finlândia, mas é um processo que pode exigir que permaneçam em acomodações do Estado e que a sua liberdade de movimento seja restringida.

Num documento de perguntas e respostas sobre o esquema, o governo finlandês reconheceu que “irá tornar-se mais difícil para as pessoas” que procuram asilo, mas que está a estudar a possibilidade de introduzir um visto humanitário que facilite o processo.

Desde há várias décadas que é comum que cidadãos russos que tenham possibilidades financeiras viajarem com frequência para a Finlândia, em visitas rápidas para fazer compras e desfrutar de outras atividades de lazer. Mais recentemente, desde que se desencadeou a invasão da Ucrânia e a subsequente proibição da UE de voos de e para a Rússia, os russos têm vindo a recorrer à Finlândia como país de transição para chegar a outros destinos europeus.

Agora, “o governo concluiu que o turismo da Rússia para a Finlândia é uma ameaça às relações internacionais da Finlândia”, afirma um documento do governo daquele país.

Mais ainda, as autoridades finlandesas anunciaram esta semana que estão a avançar com planos de construir uma cerca ao longo da fronteira com a Rússia, uma medida que estava já a ser estudada antes do anúncio da mobilização parcial de cidadãos russos. Pitkäniitty afirmou que seria construída ao longo de 130 a 260 quilómetros da fronteira compartilhada com a Rússia.

Recomendadas

“A Arte da Guerra”. “Os curdos são uma espinha encravada na garganta da Turquia há muito tempo”

A entrada dos exércitos da Turquia na Síria está iminente em resultado de um atentado em Istambul atribuído ao PKK, partido curdo na Turquia. Veja a análise de Francisco Seixas da Costa no programa da plataforma multimédia JE TV.

União Europeia volta a discutir entrada dos Balcãs

A região está sob fogo: os desentendimentos entre Sérvia e Kosovo, a crise institucional no Montenegro ou as grandes dificuldades vividas na Bósnia-Herzegovina. Poucos acreditam que a União possa dar resposta a tudo.

Tunísia: eleições a 17 de dezembro deixam o país indiferente

As primeiras eleições legislativas sob a nova Constituição tunisina colocam sérias dúvidas sobre o seu caráter democrático. A comunidade internacional está na expectativa e internamente o desinteresse parece ser geral.
Comentários