Finlândia. Ministro dos negócios estrangeiros confiante num entendimento com a Turquia sobre a NATO

O chefe da diplomacia finlandesa, Pekka Haavisto, manifestou-se hoje confiante na possibilidade de um entendimento com a Turquia, apesar da hostilidade do Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, à entrada na NATO da Finlândia e da Suécia.

“Estou confiante de que no fim encontraremos uma solução e a Finlândia e a Suécia serão membros” da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), disse Haavisto, em Berlim, antes de uma série de discussões com os membros da aliança atlântica, incluindo a Turquia.

O ministro finlandês e a sua homóloga sueca, Ann Linde, querem aproveitar a reunião da NATO, que decorre até domingo em Berlim, para se reunirem com o chefe da diplomacia turca, Mevlut Cavusoglu, e tentar levantar a oposição manifestada por Ancara relativamente à adesão dos dois países nórdicos.

Recep Tayyip Erdogan considerou na sexta-feira “um erro” a entrada dos dois países na NATO, acusando a Suécia e a Finlândia de “albergarem terroristas do PKK”, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão, considerada organização terrorista por Ancara, mas também pela União Europeia e pelos Estados Unidos.

A entrada de um novo Estado-membro na NATO requer unanimidade, o que significa que a Turquia poderá bloquear a adesão dos dois países escandinavos, cuja candidatura deverá ser formalizada nos próximos dias.

O Presidente da Finlândia ligou hoje ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, para o informar da iminente candidatura.

Referindo-se a essa conversa telefónica, o ministro finlandês considerou “muito importante” que o seu país “comunique com o seu vizinho”, mas garantiu que “não foi pedida qualquer autorização”. A invasão da Ucrânia por Moscovo, em 24 de fevereiro, fez mudar a opinião pública e política na Finlândia e na Suécia no sentido de uma adesão à NATO, vista agora como uma proteção contra uma eventual agressão russa.

Recomendadas

Ataque a Kiev é mais um exemplo da “barbárie” russa, diz Joe Biden

As declarações foram feitas durante a cimeira do G7 que começa este domingo e vai durar três dias, no sul da Alemanha. O novo ataque a Kiev “é mais [um exemplo] da barbárie” da Rússia, disse o presidente norte-americano, citado pela Reuters.

Ucrânia pede ao G7 mais armas e mais sanções contra Moscovo

“A cimeira do G7 deve responder com mais sanções contra a Rússia e mais armas pesadas para a Ucrânia”, insistiu o chefe da diplomacia ucraniana, Dmytro Kouleba, na rede Twitter.

Reino Unido apela no G7 a apoio “pelo tempo que for necessário” à Ucrânia

O apelo, refere a agência de notícias Efe, que cita um comunicado do Governo de Londres, vai ser feito no arranque da cimeira do G7, que começa hoje e vai durar três dias, no sul da Alemanha.
Comentários