Finlândia: o primeiro país com novo subsídio para desempregados

Novo rendimento de 560 euros mensais não implica que desempregados dêem provas de estar a procurar trabalho.

A Finlândia vai introduzir no início do próximo ano um subsídio de rendimento base para desempregados sem qualquer contrapartida. O país torna-se assim o primeiro a adotar uma política do género que visa aumentar a qualidade de vida, reduzir o desemprego e criar emprego.

Duas mil pessoas que se encontram neste momento no desemprego na Finlândia vão começar a receber em janeiro 560 euros mensais. O subsídio de rendimento tem a duração máxima de dois anos e não impõe quaisquer condições, ou seja, os desempregados abrangidos pela medida não têm de dar provas de que estão à procura de emprego e não perdem o benefício devido a outros rendimentos que tenham.

O Governo finlandês planeia usar a experiência para estudar também se a um rendimento base promove o emprego. “A experiência vai ocorrer em 2017 e 2018 e visa mostrar se um rendimento base pode ser usado para reformar a segurança social de forma a eliminar as armadilhas dos incentivos relacionadas com o trabalho”, refere um um comunicado citado pelo Independent.

Relacionadas

Quase um quarto dos desempregados encontrou trabalho no terceiro trimestre

127,9 mil pessoas arranjaram trabalho no terceiro trimestre de 2016. O valor é o segundo maior desde 2011.

Desemprego atinge o valor mais baixo desde 2009

Em novembro, o IEFP contabilizou menos 63 816 desempregados. Desemprego jovem foi o que registou a maior quebra (-17,3%).

Portugal é dos países europeus com maior disparidade salarial

Portugal tem maior ‘fosso’ da UE entre salários médios e mais altos, de acordo com o Eurostat.
Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários