Fintech holandesa bunq lança novos cartões e aplicação para clientes portugueses

O banco digital fundado por Ali Niknam em 2012 diz que, “com o verdadeiro espírito de uma startups”, está empenhada em “aprender a facilitar a vida aos utilizadores portugueses”. A aplicação móvel e o website já falam português.

O banco digital holandês bunq continua a apostar em Portugal. A fintech fundada por Ali Niknam em 2012 anunciou esta segunda-feira que passou a disponibilizar os cartões “Premium” e “Business” e que, a partir de hoje, os clientes portugueses vão poder aceder à aplicação e ao website em português.

Pouco depois de divulgar o “Travel Card” e do “Green Card” e de se lançar em 30 países europeus, a empresa com sede em Amesterdão investiu em terras lusas, garantindo que esta aposta vai facilitar a gestão do dinheiro e dos cartões por parte dos portugueses.

“Estamos muito entusiasmados com o lançamento em Portugal. Com o verdadeiro espírito de uma startup, estamos empenhados em aprender como facilitar a vida aos utilizadores portugueses”, afirma o fundador e CEO.

O banco móvel permite que os clientes nacionais tenham até 25 contas bancárias operacionais e cartões de crédito e débito Maestro e Mastercard. Já os empresários em nome individual podem abrir uma conta “Negócio” e utilizar funcionalidades como a digitalização direta de faturas a partir da aplicação do bunq e integrações em tempo real com software de contabilidade.

Em dezembro de 2018, o bunq somava mais de 211 milhões de euros em valor dos depósitos de todos os utilizadores. O gestor Ali Niknam, quando fundou o banco digital com um investimento único de 44,9 milhões de euros – dinheiro que arrecadou após fundar a empresa TransIP – foi responsável por ter conseguido a primeira licença bancária europeia em mais de 35 anos.

Recomendadas

Crédito à habitação. Governo suspende comissão de amortização antecipada em 2023

O Governo afasta, contudo, um regresso das moratórias no crédito da casa. Uma medida que iria “criar uma ilusão às pessoas de que podemos acabar com o aumento das taxas de juro”, disse o secretário de Estado do Tesouro.

XTB não antevê eclosão de outra crise financeira global com a situação do Credit Suisse

“Na situação atual, a eclosão de outra crise financeira global como consequência do potencial colapso deste banco parece improvável, mas mesmo assim as consequências locais e a curto prazo do futuro questionável do Credit Suisse devem ser tidas em conta”, concluem os analistas da corretora.

Fidelidade reforça posição na seguradora peruana La Positiva para 93,9%

Na sequência de uma OPA, a Fidelidade passou a controlar 93,9% da seguradora e para isso faz um investimento de 396,3 milhões de soles, o equivalente a cerca de 101,2 milhões de euros.
Comentários