Fintech holandesa lança serviços financeiros para PME com Mollie Capital

As fintechs financeiras estão a olhar para pequenas e médias empresas em Portugal. Depois da Rauva, vem agora a Mollie Capital anunciar-se como “o primeiro fornecedor de serviços financeiros para PME”.

A fintech holandesa Mollie, um dos fornecedores de serviços financeiros em rápido crescimento na Europa, anunciou o lançamento da Mollie Capital, para “melhorar o acesso a investimento para as pequenas e médias empresas (PME)”.

“Disponível, para já, apenas na Holanda, a nova solução marca a entrada da empresa na indústria dos serviços financeiros”,  refere a Mollie em comunicado.

Com este novo serviço, a Mollie diz ser “a primeira fornecedora de pagamentos que oferece um serviço financeiro completo para empresas”. No entanto, recentemente a Rauva, detida por empresários do Canadá, anunciou ao Jornal Económico que também está a lançar em Lisboa uma fintech de serviços financeiros para PME e para empresários em nome individual.

Em comunicado a Mollie refere que os seus clientes “podem pedir apoio, de forma simples, através da plataforma, e os que forem elegíveis para financiamento podem receber até um milhão de euros, de acordo com o seu histórico de transações com a fintech”.

“Na maioria dos casos, os fundos ficam disponíveis no próprio dia e a amortização é feita automaticamente sobre parte das vendas diárias das empresas com uma taxa fixa, sem custos adicionais ou juros envolvidos”, acrescenta a fintech holandesa.

Um inquérito do Banco Central Europeu sobre o acesso das PME a financiamento confirmou que as empresas mais jovens têm particular dificuldade neste processo. “Por este motivo, o crescimento das PME de e-commerce vê-se atrasado, uma vez que, sem fundos, não conseguem adquirir inventário, financiar campanhas de marketing, ou investir na expansão dos seus negócios”, saliente a Mollie.

A Mollie Capital assume-se assim como “uma alternativa atrativa face a formas mais tradicionais de obter capital, permitindo que os pequenos comerciantes elevem o seu potencial de crescimento”.

“Com todo o processo de financiamento a ser gerido na mesma plataforma onde se registam vendas e lucros, as empresas poupam tempo e aumentam a sua eficiência”, refere a nota.

Shane Happach, CEO da Mollie, revela em comunicado que “o lançamento da Mollie Capital é um marco muito importante para a nossa empresa. Este é o primeiro passo para nos tornarmos um fornecedor de serviços financeiros, indo ao encontro do nosso objetivo de contribuir para o aumento da competitividade de pequenas e médias empresas”.

“Na Mollie, acreditamos no sucesso das PME e queremos ajudá-las a crescer; mas com processos de financiamento tão complicados e extensos, as empresas têm sido constantemente mal servidas pelos grandes bancos. A Mollie Capital vem assegurar que conseguem obter de forma rápida, flexível e simples o investimento necessário para as ajudar a crescer”, diz a empresa.

Numa fase inicial, a Mollie Capital estará disponível apenas para alguns negócios nos Países Baixos e na Bélgica, sendo esperado expandir-se para outros mercados no final deste ano, segundo a empresa.

Recomendadas

Black Friday faz volume de pagamentos com Ifthenpay aumentar 18% em novembro

A Ifthenpay, empresa portuguesa especializada e líder de mercado em pagamentos digitais para empresas, anunciou que registou um crescimento de mais 18% ao longo do mês de novembro na movimentação financeira através dos seus pagamentos digitais (+95,5 milhões de euros), e por comparação com período homólogo do ano anterior.

BPI distribui presentes de Natal a crianças no país

A edição de 2022 deverá mobilizar milhares de pessoas – entre trabalhadores sociais, voluntários, colaboradores e clientes do banco – para realizar os desejos de crianças apoiadas por instituições sociais que lutam contra a pobreza infantil em todo o país.

Exigir participação de mulheres em conferências é o novo grito pela igualdade

O BNP Paribas Portugal assumiu o compromisso de garantir 40% de mulheres no Comité Executivo do Banco e no G100 até 2025 e de não participar em conferências em cujos painéis não estejam mulheres. Acordo com movimento francês Jamais Sans Elles foi oficializado no dia 10 de novembro.
Comentários