Fintech Lydia arrecada mais 71 milhões de euros

A verba surge de uma extensão da ronda de investimento série B liderada pela norte-americana Accel. A aplicação financeira de pagamentos e cartões virtuais, que tem escritório em Lisboa, espera utilizar o reforço financeiro para expandir o negócio na Europa.

Lydia Hub PT

A aplicação financeira Lydia, de pagamentos e cartões virtuais, anunciou esta quinta-feira que arrecadou mais 86 milhões de dólares (cerca de 71 milhões de euros), no âmbito de uma extensão da ronda de investimento série B liderada pela sociedade de capital de risco norte-americana Accel.

A fintech francesa, que tem um escritório em Lisboa, foi uma das empresas do sector financeiro e tecnológico a crescer durante a pandemia, tendo aumentado o volume de negócios em mais de 100% ao longo deste ano, o que animou os investidores e principais acionistas. É o caso de Amit Jhawar, ex-general manager da Venmo e parceiro de risco da Accel, que passará também a fazer parte do conselho de administração da empresa.

A Lydia, que no quarto trimestre deste ano ultrapassou a barreira dos quatro milhões de utilizadores, irá aplicar esta verba extraordinária na aceleração dos produtos e expandir para outros países da Europa as suas funcionalidades de cartão de débito, contas partilhadas e depósitos diretos na app.

“As incertezas de 2020 levaram a geração mais jovem a procurar um maior controlo e conhecimento da sua situação financeira em tempo real. Este investimento não só nos permitirá responder mais rápido às necessidades dos nossos clientes e introduzi-los em novos mercados, mas também beneficiar da vasta experiência” dos investidores, garante o cofundador e CEO, Cyril Chiche.

O financiamento total da série B ronda assim os 131 milhões de dólares (aproximadamente 108 milhões de euros), fazendo com que seja a maior ronda realizada por uma fintech francesa.

“A equipa Lydia derrubou um verdadeiro obstáculo para o cliente com a criação de experiências que são igualmente eficazes e simples, garantindo quase 100% de crescimento orgânico por parte do utilizador. A paixão dos clientes Lydia e a capacidade da empresa ao construir uma rede sem comprar utilizadores sempre me conquistaram e relembraram Venmo. Lydia define uma categoria em França, tal como como Venmo inventou os pagamentos peer-to-peer nos Estados Unidos”, refere o general manager da Venmo e parceiro de capital de risco da Accel, Amit Jhawar.

Fundada em 2013 por Antoine Porte e Cyril Chiche, a Lydia está ainda presente em Espanha, Itália e Bélgica – além de Portugal e França, onde tem representação local – e conta com investidores como a gigante chinesa Tencent, XAnge, New Alpha ou CNP Assurances.

Recomendadas

Alemanha reitera apoio a gasoduto nos Pirinéus e diz que França não excluiu projeto

O chanceler alemão destacou que este projeto tem uma perspetiva de longo prazo e que, para além do transporte de gás no imediato, servirá para fornecer outras energias, como hidrogénio, no futuro.

“Nova atitude da TAP perante os gastos terá de abranger também os pilotos”, desafia SPAC

Sindicato dos Pilotos diz que “enquanto uns têm cortes brutais no seus vencimentos” e ainda há “processos de despedimento em curso”, renova-se o parque automóvel dos cargos de direção “com 79 viaturas”.

TAP diz que renovação da frota automóvel permite poupar anualmente 630 mil euros

A TAP diz que a opção de comprar 50 BMWs representa uma poupança superior a 20% do valor mensal da renda e tributação, relativamente a novos contratos de renting e está em linha com o plano de reestruturação.
Comentários