PremiumFisco aperta cerco a manifestações de fortuna

O Plano Nacional de Atividades da Inspeção Tributária e Aduaneira para 2022 também prevê ver à lupa esquemas de planeamento fiscal abusivo e reforçar o controlo à dedução de prejuízos fiscais.

O fisco vai apertar o controlo sobre as manifestações de fortuna e acréscimos de património não justificados para detetar rendimentos que não tenham sido declarados pelos contribuintes, revela o Plano Nacional de Atividades da Inspeção Tributária e Aduaneira (PNAITA) para 2022, a que o Jornal Económico teve acesso.

Na mira das Finanças vão estar, por exemplo, casas e carros de luxo. A Autoridade Tributária (AT) vai também este ano reforçar o controlo da dedução de prejuízos fiscais e dos benefícios fiscais com especial incidência no Regime Fiscal de Apoio ao Investimento (RFAI) e no Sistema de Incentivos Fiscais em Investigação e Desenvolvimento Empresariais (SIFIDE). Esquemas de planeamento fiscal abusivo estão também debaixo de olho.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“Não me choca que haja ajustamentos salariais que acompanhem a inflação”, diz Teixeira dos Santos

Na atual conjuntura, Teixeira dos Santos diz o Estado não pode corrigir o comportamento dos mercados. Sobre os salários, diz que não vê perigo em eventuais ajustamentos em linha com a inflação.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

NATO. Stoltenberg responsabiliza Putin pela crise alimentar global

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, responsabilizou esta quinta-feira a Rússia pela crise alimentar global por ter invadido a Ucrânia e assegurou o empenho dos aliados em encontrar soluções para retomar a exportação de cereais ucranianos.
Comentários