Fisco continua sem prazo para anular penhoras indevidas

Os avisos do Tribunal de Contas têm-se repetido ano após ano e há mais de seis anos que as recomendações do tribunal continuam por cumprir.

O Tribunal de Contas (TdC) insiste que o fisco continua sem assegurar o respeito pela legalidade e os direitos dos contribuintes quando avança com os processos de penhoras. Os avisos do TdC têm-se repetido ano após ano e há mais de seis anos que as recomendações do tribunal continuam por cumprir, noticia o jornal “Público”.

O parecer do Tribunal de Contas foi entregue esta segunda-feira pelo presidente do TdC, Vítor Caldeira, ao presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues. Nele, o TdC volta a alertar para a falta de fundamentação da máquina tributária sobre o porquê de se escolher um bem em vez de outro durante a seleção dos bens a penhorar.

“Persiste por fixar um prazo legal para a redução e o levantamento de penhoras em caso de erro”, pode ler-se no parecer à Conta Geral do Estado de 2016.

Por sua vez, a Autoridade Tributária (AT) alega que as penhoras recaem sobre os bens com valor de mais fácil realização para satisfazer essa penhora, mais adequados ao valor do crédito e “previsivelmente” suficientes para pagar a dívida.

“O sistema não deixa de assegurar o respeito integral pelas regras de competência, na medida em que aos chefes de Finanças cabe a validação ‘manual’ do cumprimento dos princípios legais vigentes na efetivação das penhoras”, garante o fisco.

Relacionadas

Penhoras de contas bancárias chegam aos 960 milhões de euros desde 2013

O valor resultanta de 319.967 ordens de penhora eletrónicas registadas, de setembro de 2013 a novembro deste ano.
Recomendadas

Empresas precisam de mudanças que deem sinal de esperança, diz bastonária dos contabilistas

Paula Franco tem “expectativa” de que no próximo Orçamento do Estado sejamos “surpreendidos com medidas que aumentem a confiança”.

Governo quer prolongar Programa Regressar e aumentar o benefício do IRS Jovem

O Governo quer prolongar o regime fiscal associado ao programa Regressar e aumentar o benefício anual do IRS Jovem, segundo a proposta do acordo de rendimentos e competitividade que está a ser hoje discutida na Concertação Social.

Apoios às famílias: “Vamos até onde podemos ir”, diz Medina

O ministro das Finanças é ouvido esta quarta-feira pelos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças da Assembleia da República. Fernando Medina fala nesta comissão uma semana depois de ter sido apresentado o pacote de medidas de apoio às famílias e a menos de um mês do prazo de entrega da proposta de Orçamento do Estado para 2023 (OE2023).
Comentários