Fisco pede lista de portugueses envolvidos no Swissleaks

A Autoridade Tributária solicitou ao Consórcio da Investigação Swissleaks que envie a lista dos 611 portugueses que, alegadamente, abriram contas no banco HSBC na Suíça para fugir ao fisco, para cruzar informação com outros elementos de que já dispõe. Em resposta a questões enviadas hoje pela agência Lusa, o Ministério das Finanças disse que a […]

A Autoridade Tributária solicitou ao Consórcio da Investigação Swissleaks que envie a lista dos 611 portugueses que, alegadamente, abriram contas no banco HSBC na Suíça para fugir ao fisco, para cruzar informação com outros elementos de que já dispõe.

Em resposta a questões enviadas hoje pela agência Lusa, o Ministério das Finanças disse que a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) “está a acompanhar” o chamado caso Swissleaks, depois de o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) ter divulgado, no domingo, documentos confidenciais sobre o ramo suíço do banco britânico HSBC Private Bank, que revelam alegados esquemas de evasão fiscal.

“A AT já pediu formalmente ao Consórcio de Jornalistas para que lhe seja enviada a lista dos 611 contribuintes portugueses alegadamente com contas abertas no referido banco na Suíça, de forma a que esta possa ser cruzada com os elementos de que a AT já dispõe sobre a matéria”, afirma o Ministério das Finanças.

Portugal surge em 45.º lugar na lista de países que constam da informação divulgada pelo consórcio, com um total de 969 milhões de dólares (855,8 milhões de euros) depositados no HSBC Private Bank, distribuídos por 778 contas bancárias de 611 clientes. Pelo número de clientes, Portugal surge na 33.ª posição.

A tutela recorda ainda que, “em resultado do Acordo de Troca de Informações Fiscais, celebrado entre Portugal e a Suíça em 2012, a AT tem hoje informações precisas sobre contas bancárias” naquele país de contribuintes portugueses.

Também o Ministério Público está a “acompanhar a situação, recolhendo todos os elementos que estão ao seu alcance, quer aqueles que têm vindo a público, quer os que, eventualmente, possam resultar de processos pendentes”, referiu a Procuradoria-Geral da República (PGR) à agência Lusa na terça-feira.

A PGR sublinhou porém, que, até ao momento, não tinha sido recebida de autoridades estrangeiras “qualquer lista ou informação específica sobre a questão”.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Regulador bancário suíço admite responsabilizar administradores do Credit Suisse

“Não somos uma autoridade judicial, mas estamos a explorar possibilidades de responsabilização”, disse Marlene Amstad, presidente da Finma, numa entrevista publicada hoje no jornal dominical suíço NZZ am Sonntag, em que foi muito crítica da atividade da administração daquele banco.

Consultoras vivem mudanças no mercado e reforçam ‘chatbots’

Em compasso de espera para saber os trâmites da sociedades pluridisciplinares em Portugal, as firmas de consultoria investem na digitalização. A PwC Portugal terá ChatGPT para juristas em breve.

Benefícios podem ajudar a compensar aumentos magros

Um plano de benefícios que agrade ao trabalhador pode ser usado pela empresa para tentar compensar um aumento do salário que não cubra a inflação. O dstgroup aposta forte no desenvolvimento e bem-estar dos colaboradores e vai investir nesta área 1,5 milhões, este ano.