Fitch alerta que a regulamentação bancária global será reforçada em 2022

A Fitch espera a reintrodução de políticas macroprudenciais em algumas jurisdições, juntamente com a finalização das regras para implementar integralmente o regime de Basileia III. A Fitch também espera que os supervisores se concentrem em 2022 nos riscos cibernéticos, climáticos e de cripto-ativos.

Reinhard Krause/Reuters

O alerta da agência de rating consta do relatório, ‘Fitch 2022 Outlook: Global Banking Regulation’. A Fitch considera provável que haja um reforço gradual das regulamentações bancárias globais em 2022, refletindo as expectativas de um retorno contínuo às normas pré-pandémicas.

A Fitch Ratings refere que a perspetiva regulatória dos bancos globais para 2022 é mais restrita, já que a agência espera a reintrodução de políticas macro prudenciais em algumas jurisdições, juntamente com a finalização das regras para implementar integralmente o regime de Basileia III (que restringe o uso de abordagens de modelo interno para cálculos de capital) nos mercados desenvolvidos. A Fitch também espera que os supervisores se concentrem nos riscos cibernéticos, climáticos e de cripto-ativos.

Para muitos mercados em desenvolvimento, as políticas macro prudenciais vinculadas a riscos de estabilidade financeira e a adesão aos requisitos supranacionais continuarão a ser o principal determinante das agendas de reforma regulatória, constata a Fitch.

“Os requisitos macro prudenciais permanecerão em foco, com mais reguladores a revelar as etapas para incorporar os riscos climáticos nas revisões de supervisão. Há potencial para riscos de contágio vinculados a taxas de juros mais altas, bolhas de ativos em mercados desenvolvidos e riscos domésticos em jurisdições de mercados emergentes”, diz Monsur Hussain, da Financial Institutions Research Group.

Recomendadas

Oracle e tecnológica portuguesa modernizam sistemas de quatro Caixas Agrícolas

As instituições bancárias do Bombarral, Chamusca, Mafra e Torres Vedras vão implementar novas soluções de banca digital ao longo dos próximos dois anos. O projeto, que decorre até 2024, envolve a migração de dados para a ‘cloud’.

Sindicatos bancários mantêm proposta de revisão salarial para trabalhadores do BCP

Os sindicatos consideram que a proposta do BCP “não é suficiente, nem ajustada à realidade”. E prometem continuar a lutar por uma “atualização justa” para os bancários do banco liderado por Miguel Maya.

Banca europeia vai beneficiar da receita com juros, mas esta será consumida pelo aumento das imparidades para crédito

O relatório conclui que taxas de juros crescentes trazem margem financeira para os bancos europeus, mas custos e imparidades mais altos compensarão os benefícios. Nesta amostra  de 34 maiores bancos europeus não estão incluídos bancos portugueses e há três espanhóis (Santander, BBVA e CaixaBank).
Comentários