Fitch antecipa queda de 9,6% do comércio internacional de bens e serviços este ano

Recuperação do comércio internacional de bens compensou a queda acentuada do comércio mundial de serviços, prejudicado pelo colapso das viagens internacionais. Para 2021, a Fitch antecipa recuperação de 8%, abaixo dos níveis registados em 2010, devido à lenta recuperação do comércio de serviços.

A Fitch antecipa uma queda de 9,6% do comércio internacional de bens e serviços este ano.

Numa nota de análise divulgada esta quarta-feira, a agência de notação financeira norte-americana explicou que o comércio internacional de bens recuperou “rapidamente” desde abril, o que acabou por compensar a queda do comércio de serviços, que se deveu ao colapso das viagens internacionais.

A agência de notação explica que a recuperação do comércio de bens se deveu ao crescimento das exportações chinesas na China em outubro e que também foi impulsionada pelo aumento das importações de bens eletrónicos e de equipamento médico nos Estados Unidos e na União Europeia.

Ainda assim, a Fitch antecipa uma lenta recuperação do comércio internacional de serviços, que foi muito penalizada este ano com o colapso das viagens internacionais.

Por isso, para 2021, a agência de notação financeira antecipa uma subida de 8% do comércio internacional de bens e de serviços, abaixo da recuperação que se registou em 2010, depois da crise financeira que teve início dois anos antes.

“O comércio internacional de bens e serviços caiu de forma menos severa do que o esperado em 2020 e parece que vai cair menos do que em 2009, em termos anualizados, embora a queda do PIB mundial seja mais acentuada”, lê-se na nota intitulada “Economics Dashboard: World Trade Recovers as Goods Exports Rebound”.

A recuperação do comércio internacional de bens, que representou 77% do comércio internacional no ano passado, no terceiro trimestre deste ano estava 3,8% abaixo dos níveis registados no quarto trimestre de 2019 — período anterior à crise pandémica —, e está ainda a acelerar.

Em setembro deste ano, o comércio de bens estava 1,6% dos níveis registados em setembro de 2019, o que contrastou com a queda homóloga de 17,5% que ocorreu em maio deste ano.

A Fitch destacou a subida de 21% das exportações da China em outubro, mês em que as encomendas norte-americanas atingiram níveis recorde, o que sugere uma subida das importações dos Estados unidos.

Além disso, a recuperação do comércio internacional de bens deveu-se ao consumo de bens duráveis por causa “das alterações de consumo a nível global devido à pandemia” nos Estados Unidos.

“Isto tem, com a adoção do trabalho e consumo digital, aumentado as importações de produtos eletrónicos, enquanto a procura por equipamentos médicos também disparou, nos Estados Unidos e na Europa”, lê-se na nota.

As duas categorias de bens — produtos eletrónicos e equipamento médico — representaram 23,2% das importações norte-americanas e europeias, em conjunto, no terceiro trimestre de 2020, acima da subida registada no mesmo período do ano passado, que foi de 18,8%.

“Isto tem sido um factor que suportou a forte recuperação das exportações chinesas”.

Apesar disto, a Fitch notou que a estimativa do comércio mundial de bens e serviços no terceiro trimestre de 2020 estava 8,7% abaixo dos níveis do quarto trimestre de 2019, “ilustrando a derrocada do comércio dos serviços”.

A Fitch referiu que o valor combinados das importações de serviços nos Estados Unidos e na União Europeia caiu 32% entre dezembro de 2019 e abril, salientando que até a setembro, embora em menor escala, a queda era de 25%.

“Isto deveu-se ao colapso evidente das viagens internacionais”, frisa a nota.

“Embora as expectativas sobre a distribuição de vacinas aumentem a esperança, a possibilidade de novas medidas de confinamento permanecem um risco de pressão negativa”, lê-se.

Segundo os modelos económicos da Fitch, o comércio internacional de bens e serviços vai subir 8% no próximo ano, o que é uma subida “mais enfraquecida” do que a recuperação de 2010, “prejudicada pela lenta recuperação do comércio de serviços”.

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários