Fitch aumenta perfil de crédito da Madeira para três níveis acima de ‘lixo’

A agência de notação financeira Fitch “voltou a subir a classificação” da Madeira, aumentando o perfil de crédito da Região, que passa para três níveis acima de lixo, informou hoje o Governo Regional.

Reinhard Krause/Reuters

“Agora, e mais uma vez, a Fitch volta a rever em alta o nosso perfil de crédito, numa decisão muito importante para a Madeira, que gera maior visibilidade da Madeira e das suas operações de refinanciamento”, afirma o secretário das Finanças do executivo madeirense numa nota enviada à agência Lusa.

Rogério Gouveia, citado no documento, acrescenta que esta classificação, divulgada ao final da noite de sexta-feira, “permite reforçar a base de investidores internacionais da Região e o respetivo sucesso das suas emissões de dívida”, apesar do impacto na economia da guerra na Ucrânia.

O governante insular realça que “o bom desempenho financeiro nos últimos anos tem vindo a sustentar a classificação favorável da agência norte americana ao ‘rating’ da Madeira”.

“Em termos práticos, a Fitch Ratings vem reforçar e melhorar ainda mais a classificação da Madeira no patamar de qualidade de investimento, atestando de forma isenta e independente a redução do respetivo risco de crédito, assim afirmando a sustentabilidade da dívida pública regional a longo prazo e a qualidade da gestão das finanças públicas regionais”, argumenta.

A Fitch Ratings “voltou a melhorar a classificação do perfil de crédito da Região, aumentando-a em mais um nível, nomeadamente de ‘BBB’ para ‘BBB+’ e com perspetiva de evolução estável”, salienta.

Rogério Gouveia enfatizou que “esta é mais uma excelente notícia para a Região e decorre da recente avaliação que a agência americana fez ao ‘rating’ da República e da decisão em manter a avaliação da Madeira em linha com a do Estado”.

O governante recordou que, em abril, “aquela que é uma das quatro maiores agências mundiais de classificação de risco de crédito, avaliou a performance das contas públicas regionais e atribuiu a notação “BBB”, que corresponde ao 1.º nível de ‘investment grad’ (grau de investimento), equiparando-a à classificação atribuída à República Portuguesa”.

“Com esta classificação, o ‘rating’ da Região saiu do nível especulativo para qualidade de investimento, naquela que é a melhor notação financeira obtida desde 2011”, vincou

O responsável refere também que a Fitch Ratings “analisou em detalhe as contas e a restante informação orçamental, financeira e de gestão da dívida pública realizada pelo Governo Regional”.

Segundo Rogério Gouveia, valorizou fatores “como a inequívoca trajetória de consolidação das contas públicas regionais, a obtenção de superavits orçamentais e a sustentada redução dos níveis de dívida pública regional até à pandemia covid-19, a redução dos custos da dívida devido à estratégia de gestão da dívida implementada, a redução do prazo médio de pagamentos, entre diversas outras variáveis”.

A Fitch Ratings tem sede nos Estados Unidos da América e conta já com mais de 100 anos de atividade, sendo considerada uma das três maiores agências de ‘rating’ do mundo, com mais de 20 mil entidades empresariais e institucionais avaliadas.

Recomendadas

Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor” a decorrer em Lisboa, com o apoio do Jornal Económico

A conferência é organizada pela Optimize Investment Partners, sociedade gestora portuguesa que disponibiliza uma gama de soluções de investimento para diversos perfis de risco e objetivos. Moderada por Nuno Vinha, subdiretor do Jornal Económico, consiste numa palestra de 30 minutos de cada um dos quatro oradores, um coffee break e uma mesa redonda com espaço para perguntas e respostas e interação com a plateia.

SIBS: mais de um quinto do valor gasto na Black Friday foi em compras online

O comércio online continua a ganhar peso nas compras em Portugal. Dados da SIBS revelam que 22% do valor gasto na última Black Friday foi em compras online, um peso que bate por muito os 18% do ano passado.

União Europeia, G7 e Austrália limitam barril de petróleo russo a 60 dólares

Os 27 estados-membros da UE chegaram a acordo, esta sexta-feira, no estabelecimento de um teto máximo para o preço do petróleo russo nos 60 dólares por barril. Os sete países mais industrializados do mundo (G7) e a Austrália juntam-se na decisão.
Comentários