Fitch mais otimista com a economia mundial com a chegada da vacina

A agência de notação financeira reviu em alta as suas perspetivas económicas globais para este ano, 2021 e 2022. Para a zona euro, espera uma queda de 7,6% este ano, seguida de um crescimento de 4,7% em 2021.

A Fitch está mais otimista para a economia mundial com a perspetiva de uma vacina para a Covid-19 e reviu em alta a sua estimativa de crescimento para a economia mundial este ano: de uma queda de 4,4%  para uma queda de 3,7%.

Esta revisão acontece apesar de esperar por um agravamento da economia na zona euro devido às restrições impostas pelos governos perante a segunda vaga da pandemia da Covid-19.

Para a zona euro, a Fitch espera que a economia da zona euro recue 7,6%, como já tinha assinalado em novembro. “Isto é menos do que o recuo de 9% que já tínhamos previsto em setembro e reflete a surpresa muito positiva” da economia no terceiro trimestre, sublinham. Para o quarto trimestre, a agência espera uma queda de 3,6%.

“A recuperação global está a ser mais acidentada do que o esperado à medida que a segunda vaga impõe novas restrições, mas as notícias sobre a vacina são muito positivas para a perspetiva económica nos próximos dois anos”, disse o economista chefe da Fitch, Brian Coulton, em comunicado.

Desta forma, a Fitch reviu em alta a sua perspetiva para 2021, esperando agora um crescimento de 5,3%, mais 0,1 pontos face à anterior. No entanto, a agência reviu em baixa a sua previsão de crescimento para a zona euro – de 5,5% para 4,7% – pelas restrições que ainda vão continuar na Europa nos meses de inverno, logo no início de 2021, que vão afetar a economia.

Para 2022, a Fitch também reviu em alta a sua previsão de crescimento global – de 3,6% para 4,0% – refletindo o fim das medidas de restrições devido à vacina.

Na zona euro, a agência prevê um crescimento de 4,4% – face aos anteriores 3,2% – impulsionado com a chegada dos fundos europeus que deverão “providenciar um forte impulso ao investimento público”.

Olhando para 2021, a Fitch aponta que problemas ou atrasos na entrega das vacinas são um dos maiores riscos para a sua previsão e podem resultar em mais restrições e a continuação do distanciamento social, “pesando fortemente no PIB”.

Recomendadas

Apenas 33% das empresas portuguesas inicia ações de cobrança quando a fatura está vencida

66% das empresas portuguesas não inicia ações de cobrança com o vencimento de uma fatura. Ou seja, apenas um terço avança para a cobrança quando a fatura está vencida, conclui estudo da Crédito y Caución, empresa de seguros de crédito, e da consultora Iberinform.

Energia. Ligações entre Península Ibérica e França vão a cimeira em Alicante na sexta-feira

Em 20 de outubro, Portugal, França e Espanha alcançaram um acordo para acelerar as interconexões energéticas entre os três países, um “Corredor de Energia Verde”, com uma ligação por mar entre Barcelona e Marselha (BarMar) e outra, terrestre, entre Celorico da Beira e Zamora (CelZa).

Tribunal de Contas só recusa visto a 1% dos contratos em fiscalização prévia

“Recebemos para fiscalização prévia cerca de 2.000 a 4.000 contratos por ano só para fiscalização prévia, que são os contratos com valores superiores a 750 mil euros. Desse montante, apenas a uma percentagem muito reduzida é que o Tribunal de Contas recusa o visto: cerca de 1%. Aqui está a força dissuasora da função de fiscalização prévia”, explicou.
Comentários