Fitch mantém rating lixo à CGD e BCP e melhora classificação do Santander e Montepio

Apenas Montepio e Santander Totta viram uma melhoria do rating da dívida pela Fitch. A agência de notação reafirmou os ratings do BCP e Caixa Geral de Depósitos, melhorando o outlook.

Reinhard Krause/Reuters

A Fitch melhorou a perspectiva dos ratings dos BCP e CGD mas manteve o “rating” na categoria “lixo” (BB-).

Entre os bancos analisados pela Fitch, apenas o “rating” do Santander Totta e do Montepio Geral foi melhorado.

De acordo com as classificações publicadas esta quinta-feira, 21 de Dezembro, a Fitch, que na semana passada subiu o rating da República em dois níveis (para BBB) manteve o “rating” dos dois maiores bancos portugueses em BB-, o que corresponde ao terceiro nível de “lixo”.

As ações de classificação fazem parte de uma revisão periódica do rating portfólio de bancos portugueses classificados pela Fitch e segue-se à atualização da classificação do rating soberano de Portugal

O rating do BCP

A Fitch Ratings reviu em alta a Perspectiva do Banco Comercial Portugues (Millennium bcp) de “estável” para “positiva”, ao mesmo tempo que reafirmou o risco de incumprimento do Emissor de Longo Prazo (IDR) do banco em ‘BB-‘ (lixo).

O Outlook positivo reflete as expectativas da Fitch de que o Millennium bcp continuará a reduzir seus ativos problemáticos (empréstimos improdutivos – NPLs e ativos detidos por dação em incumprimento) nos próximos 18-24 meses, o que deve diminuir gradualmente os custos com imparidades e resultar numa melhoria significativa dos resultados e geração interna de capital. A implementação do plano de redução de ativos problemáticos do banco deverá beneficiar de um ambiente operacional melhorado em Portugal, diz a agência.

Já a manutenção do rating do Millenium bcp foi determinada pela ainda fraca qualidade dos ativos, apesar da melhoria, que continua a pressionar a rentabilidade operacional e a geração interna de capital. As classificações também refletem o vulnerável nível de capitalização do banco, bem como um perfil de financiamento estável.

A rentabilidade antes de imparidades e provisões melhorou progressivamente nos últimos quatro anos, mas a geração de receitas do banco ainda está afectada por elevadas provisões para ativos problemáticos.

A Fitch espera que no BCP as provisões para crédito diminuam gradualmente e que isso se traduza numa melhor rentabilidade operacional. A eficiência operacional do banco é melhor do que nos seus pares domésticos e o banco deverá beneficiar dos esperados custos de financiamento mais baixos.

Os indicadores da qualidade de ativos do Millennium bcp permanecem fracos, refletindo o elevado stock de ativos improdutivos do banco, embora o banco tenha feito bons progressos. No final de setembro de 2017, o rácio de crédito malparado (de acordo com a definição da Autoridade Bancária Europeia) diminuiu para 15,9% (face a 19% um ano antes), mas continua alto ao nível dos padrões internacionais. O rácio de cobertura (42%) também melhorou, mas manteve-se baixo em comparação com os seus pares internacionais, resultando numa elevada dependência de colaterais e garantias. Além disso, o banco está exposto a riscos decorrentes das suas participações em imóveis e investimentos em fundos de reestruturação de empresas.

A posição de capital do banco foi reforçada em 2017 por um aumento de capital de 1,33 mil milhões de euros e pela redução de ativos ponderados pelo risco (RWA). No final de setembro de 2017, o rácio Tier 1 (CET1) – fully loaded – era de 11,7%. No entanto, a capitalização continua a ser vulnerável a choques adicionais da qualidade dos ativos, pois os NPLs e os imóveis recebidos por dação em incumprimento de crédito ainda pesam muito (1,4x) nesse rácio de capital CET1.

A estrutura de financiamento do Millennium bcp geralmente foi estável e sua posição de liquidez se beneficiou com a desalavancagem substancial do empréstimo realizada nos últimos quatro anos. Os depósitos de clientes continuaram a ser a principal fonte de financiamento do banco em cerca de 80% do financiamento total no final de setembro de 2017. A dependência do financiamento por atacado é mais limitada e, principalmente, sob a forma de títulos seniores e garantidos e do financiamento do BCE.

Rating da CGD

O Outlook Positivo da notação de risco de Longo-Prazo (IDR) da CGD reflete as expectativas da Fitch de que a equipe de gestão da CGD executará o seu plano de reestruturação, levando a melhorias significativas na rentabilidade nos próximos 18-24 meses. O melhor ambiente operacional em Portugal também deve ajudar a novas reduções no grande stock de ativos problemáticos do banco e facilitar a prossecução dos objetivos estratégicos delineados no plano de reestruturação do grupo.

As classificações do CGD refletem a qualidade de ativos ainda fraca do banco e a fraca rentabilidade core. As avaliações também levam em consideração a capitalização reforçada da CGD (aumento de capital) e o perfil de financiamento aceitável.

A qualidade dos ativos da CGD continua fraca na comparação internacional, tendo sofrido com a recessão de Portugal durante 2011-2014. O banco reportou um elevado rácio de crédito malparado (NPL, de acordo com a definição da Autoridade Bancária Europeia e excluindo as exposições aos bancos centrais e instituições de crédito) de 15,4% e uma cobertura de 48% no final de junho de 2017. As métricas de qualidade de ativos da CGD têm melhorado, principalmente devido ao menor ingresso de novos NPL, devido a elevados write-offs feitos em 2016 e ao aumento de vendas de carteiras de crédito NPLs no 1º semestre de 2017. O banco também está exposto a riscos decorrentes das suas participações em imóveis por dação em incumprimento e investimentos em fundos de reestruturação societária. “Esperamos que a qualidade dos ativos melhore ainda mais ao longo do horizonte de classificação.

O CGD restaurou as almofadas de capital através do seu aumento de capital de 2,5 mil milhões totalmente subscrito pelo Estado Português e da emissão de instrumentos adicionais de Nível 1 (AT1) no mercado. O rácio capital (CET1) – fully loaded – da CGD situou-se em 12,7% no final de setembro de 2017. No entanto, o ónus de haver baixa cobertura dos ativos problemáticos, torna a CGD vulnerável a atrasos na redução de ativos problemáticos.

As classificações da CGD também traduzem a fraca rentabilidade do banco. O banco pretende melhorar a eficiência, aumentando as receitas e reduzindo os custos operacionais domésticos em 20% até 2020. As atividades internacionais serão reduzidas e algumas operações não core serão vendidas. “Em nossa opinião, a execução com êxito deste plano será fundamental para o banco melhorar a sua geração de capital interno a nível doméstico.

 

Rating do Santander Totta

A agência Fitch melhorou o rating da dívida de longo prazo do Santander Totta de BBB para BBB+, “o melhor do sistema financeiro”, diz o banco liderado por António Vieira Monteiro. O BST fica assim com um notch acima da República.

A agência reafirmou ainda o rating da dívida de curto prazo em F2. Os outlooks são estáveis.

A Fitch destaca “a qualidade de ativos do Santander Totta, melhores do que o setor, e os níveis de capitalização adequados”, bem como “o crescimento da marca do Banco em Portugal e os benefícios de fazer parte do Grupo Santander em termos de capacidade de gestão”.

A agência de notação refere que “as atividades do Santander Totta em Portugal são estrategicamente importantes para o grupo e são apoiadas por uma marca comum, fortes sinergias e integração com a casa-mãe, e uma ampla partilha de gestão de risco e procedimentos e políticas operacionais”.

A Fitch adianta ainda que “as classificações também refletem o desafio de integrar com sucesso o Banco Popular Portugal”, acreditando que “a rentabilidade do Santander Totta permanecerá resiliente em 2018”.

Montepio Geral também com melhor rating

A agência de notação financeira Fitch Ratings anunciou a revisão em alta da notação de risco de Longo Prazo (Long Term IDR – Issuer Default Rating) de ‘B’ para ‘B+’, mantendo a perspetiva em ‘Estável’.

A agência realçou que durante o ano de 2017 a CEMG “apresentou sinais claros de melhoria do seu perfil financeiro, nomeadamente ao nível da capitalização, da qualidade dos ativos e da rentabilidade”, diz a nota.

A Fitch “faz referência aos resultados líquidos positivos alcançados em 2017, à redução dos custos operacionais e à redução dos ativos em risco, com o importante contributo da operação de titularização de crédito em incumprimento (NPL) concretizada recentemente, revelando o empenho da equipa de gestão na melhoria da qualidade dos ativos e o seu compromisso com os objetivos estratégicos definidos”.

(atualizada)

 

Recomendadas

Mais de 1.700 contactos de clientes bancários à rede de apoio RACE até setembro

A Rede de Apoio ao Cliente Bancário (RACE) recebeu, entre janeiro e setembro, 1.783 contactos de devedores com dificuldades em pagar créditos, registando desde julho um aumento dos processos PARI ou PERSI que acompanha, revelou a Direção-Geral do Consumidor.

Crise energética. CGD limita luzes de Natal na sede

Apenas a fachada principal da sede da Caixa Geral de Depósitos estará iluminada este ano, devido à crise energética, anuncia o banco. A ficha será desligada às 22h00, todos os dias.

Bancos têm de cumprir reserva de fundos próprios de 0,25% a 1% em 2023

O BCP tem de ter uma reserva de 1%, tal como a CGD. O Santander e BPI têm de ter no seu rácio uma reserva de 0,5% e ao Banco Montepio é exigida uma reserva de 0,25%, tal como à Caixa de Crédito Agrícola. Sendo que todos têm de cumprir este ‘buffer’ a partir do dia 1 de janeiro de 2023, excepto o Crédito Agrícola.
Comentários