Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

1 – Nova Iorque

A Fitch Ratings, especialista em créditos e análise dos mercados financeiros, espera que o preço nominal das casas “diminua ou desacelere substancialmente em 2023” para a maioria dos mercados do mundo. Impulsionadas pelo arrefecimento da procura – “devido às altas taxas das hipotecas” – a queda dos preços, já notada no segundo semestre deste ano, vai afetar particularmente os mercados da Austrália, Canadá, China, Dinamarca, Alemanha, Holanda, Reino Unido e Estados Unidos, segundo o estudo ‘Global Housing and Mortgage Outlook 2023’.

A envolvente será particularmente castigadora do mercado imobiliário. A Fitch prevê ainda um crescimento económico mais fraco, o crescimento do desemprego em 2023 para a maioria dos países. A recessão do Reino Unido continuará, “ao mesmo tempo que prevemos uma recessão leve na Zona Euro antes do final de 2022 e para os Estados Unidos a partir do segundo trimestre de 2023”.

“Os mercados imobiliários em países onde as taxas de hipoteca são predominantemente variáveis”, como é o caso de Portugal, “ou fixas por curtos períodos de tempo são particularmente vulneráveis” e os “atrasos nos pagamentos deverão surgir em pouco tempo – apesar de, em princípio, não virem a ter tanto impacto “como o observado durante a crise financeira global” a partir de 2007. A ‘salvar’ o mau ambiente do imobiliário estará “o património líquido dos donos, a regulamentação financeira mais rigorosa e o apoio oferecido por credores (bancos) e governos”.

Mesmo assim, “espera-se que os preços das casas permaneçam mais altos do que os níveis pré-pandêmicos.

Para além dos países especialmente vulneráveis à queda do preço das casas, a Fitch adianta não esperar “que os preços nominais das casas caiam na América Latina, em Itália e em Espanha, pois não houve um rápido aumento nos preços nos últimos dois anos e são países que usam de taxa fixa com prazos mais longos”. Mais uma vez, ao contrário de Portugal, onde os preços das casas subiram drasticamente nos últimos anos.

O estudo da Fitch, que não faz qualquer referência específica ao mercado imobiliário português, espera, por outro lado, que o crescimento do PIB global desacelere para 1,4% em 2023 – sendo “perspetivas de crescimento fraco”, ao mesmo tempo que “a inflação vai continuar alta”, o que “desafiará a maioria dos bancos centrais”.

No meio do desastre e da recessão no Reino Unido, Zona Euro e Estados Unidos, “a China é uma exceção, pois a inflação é administrável e as taxas de juros estão a cair”, num quadro em que o país tem em mãos mecanismos mais eficazes “de controlo de políticas fiscais e monetárias para evitar uma recessão mais profunda”.

 

Relacionadas

Marcelo promulga diploma sobre alívio do impacto da subida dos juros do crédito à habitação

Os bancos terão um prazo máximo de 45 dias para rever a posição dos clientes com crédito da casa e perceber quais serão elegíveis para as medidas do Governo. Ou seja, terão 45 dias após a entrada em vigor do decreto-lei que aguardava a promulgação do Presidente da República, para ser publicado em Diário da República.

Procura por construção nova registou quebra homóloga de 45,1% em novembro

Também as outras categorias de imobiliária registaram descidas expressivas em relação a novembro de 2021: nos apartamentos, (40,6%), nas moradias (40,4%) e nos terrenos, quintas e herdades (33,6%).
Recomendadas

Dinamarquesa Eurowind Energy investe mais de 400 milhões de euros em Portugal

A multinacional dinamarquesa Eurowind Energy, que inaugurou esta terça-feira o segundo parque solar de produção de eletricidade do país, quer investir até ao fim desta década mais de 400 milhões de euros em Portugal.

Oito empresas portuguesas no index de igualdade de género da Bloomberg

Em análise estiveram cinco aspetos, desde a capacidade de liderança de talentos até às medidas contra o assédio sexual em ambiente profissional.

EBA lança teste de stress de 2023 para a banca e usa o mais severo de sempre dos cenários adversos

O teste de stress a nível da UE será conduzido numa amostra muito maior em comparação com anos anteriores, abrangendo 70 bancos da UE e 75% do total dos activos bancários na UE. Em termos de queda do PIB, o cenário adverso de 2023 é o mais severo utilizado até à data em toda a UE nos testes da banca.
Comentários