Fitch reafirma classificação da Fidelidade e mantém “outlook”

“Para a reafirmação deste Rating – uma notação das mais elevadas no panorama empresarial nacional –, a Fitch realçou de forma muito positiva a estratégia empresarial da Fidelidade e a forte capitalização da seguradora, nomeadamente, o rácio de solvência e a solidez da sua carteira de investimentos”, diz a seguradora em comunicado.

A agência americana de notação financeira Fitch anunciou esta segunda-feira que reafirmou o Rating A- stable (IDR) e A stable (IFS) à Fidelidade e que mantém o Outlook estável, confirmando a forte capacidade da seguradora para honrar os seus compromissos financeiros.

“Para a reafirmação deste Rating – uma notação das mais elevadas no panorama empresarial nacional –, a Fitch realçou de forma muito positiva a estratégia empresarial da Fidelidade e a forte capitalização da seguradora, nomeadamente, o rácio de solvência e a solidez da sua carteira de investimentos”, diz a seguradora em comunicado.

A companhia relata que a posição de liderança no mercado segurador português e “o peso crescente da atividade internacional da empresa, bem como a qualidade dos seus ativos foram também reconhecidos, sobretudo perante o contexto financeiro atual”.

“A reafirmação do Rating A pela Fitch e com Outlook estável é mais um sinal de que a estratégia que a companhia tem vindo a seguir, nos últimos anos, tem sido a acertada e a necessária para reforçar continuamente a solidez nestes tempos de tão grande incerteza socioeconómica”, diz a companhia liderada por Rogério Campos Henriques.

Recomendadas

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Complemento excecional a pensionistas: SNQTB remeteu nova carta ao Primeiro-Ministro

Depois do OE2023 ter sido aprovado o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários diz que “o Partido Socialista mantém a injustiça em relação aos bancários reformados que foram indevidamente excluídos da atribuição do complemento excecional a pensionistas”.

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% do que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.
Comentários