Flexdeal reforça participação na Raize para 33%. Acionistas fundadores vendem

A Flexdeal chegou a acordo com dois acionistas fundadores e membros do conselho de administração para comprar 14,1% da Raize por 775 mil euros.

A Flexdeal, uma sociedade de investimento mobiliário para fomento do mercado (SIMFE), assinou um acordo para comprar as participações acionistas de José Maria Antunes dos Santos Rego e António José Ribeiro da Silva Marques, acionistas e dirigentes da Raize – Instituição de Pagamentos.

Em comunicado, as partes revelam a celebração de um contrato tendente à compra e venda de ações (CVA) celebrado no dia 28 de novembro de 2022.  Nesse contrato, está prevista a aquisição condicionada por parte da Flexdeal a José Maria Antunes dos Santos Rego de 585.000 ações representativas de 11,70% do capital social da Raize, pelo preço de 1,10 euros por ação, e aquisição condicionada por parte da Flexdeal a António José Ribeiro da Silva Marques de 120.049 ações representativas de 2,40% do capital social da Raize, pelo mesmo preço.

A Flexdeal paga 643,5 mil euros pelos 11,7% e 132,05 mil euros pelos 2,40%.

“A eficácia do contrato (CVA) encontra-se sujeita à condição suspensiva da não oposição à aquisição de participação qualificada por parte do Banco de Portugal nos termos previstos legalmente”, revela a nota. Recorde-se que a “Raize é uma instituição de pagamento autorizada e supervisionada pelo Banco de Portugal, nos termos do Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras (RGICSF) e do Regime Jurídico dos Serviços de Pagamento e da Moeda Eletrónica (RJSPME)”.

A Flexdeal é atualmente o maior acionista da Raize, sendo detentora de 19,00% de ações representativas do capital social da empresa, obtidas através de Oferta Pública de Aquisição (OPA) concluída em 30 de dezembro de 2020.

A concretização do acordo põe a Flexdeal com 33,1% da Raize.

“A plena produção de efeitos do CVA, a ocorrer apenas em caso de obtenção da autorização ou não oposição do Banco de Portugal à aquisição de participação qualificada na Raize, representará um aumento de posição por parte da Flexdeal que passará a deter 1.655.049 ações representativas de 33,10% do capital social da sociedade”, lê-se no documento.

José Maria Rego é fundador e presidente executivo do Conselho de Administração da Raize e António José da Silva Marques também é fundador e é administrador executivo da Raize.

A Flexdeal admite futuras parcerias.

A transação “visa reforçar o compromisso da Flexdeal com a concretização dos objetivos estratégicos apresentados em prospeto publicamente divulgado no âmbito da OPA parcial de entrada no capital da Raize em dezembro 2020, nomeadamente, potenciar a criação de valor para os acionistas da Flexdeal e da Raize através de futuras parcerias que, sem prejuízo da independência entre ambas as sociedades, possam vir a reforçar a posição concorrencial e tecnológica de ambas; procurar contribuir para o lançamento de novas ofertas que constituam soluções inovadoras atraentes quer para investidores na plataforma quer para os tomadores dos empréstimos; e procurar aumentar a quota de mercado da Raize no mercado de crédito, designadamente junto das médias empresas”, refere a empresa.

No comunicado enviado ao mercado, é dito que “as Partes salientam que a transação se encontra dependente do deferimento do pedido de autorização nesta data entregue ao Banco de Portugal, apenas produzindo os seus efeitos se e quando tal não oposição do Banco de Portugal for manifestada”.

A Raize é a primeira instituição de pagamento em Portugal dedicada ao financiamento da economia, disponibilizando uma plataforma completa de serviços que assegura a segurança, fiabilidade e monitorização de transferências, pagamentos e recebimentos de fundos de clientes. As ações representativas do capital social da Raize encontra-se admitidas à negociação no Mercado Regulamentado gerido pela Euronext Lisbon.

O presidente executivo da Flexdeal Alberto Amaral, é vogal não executivo do Conselho de Administração da Raize.

Recomendadas

Reditus volta a adiar a apresentação dos resultados de 2021

A empresa estima que “a publicação dos seus documentos de prestação de contas individuais e consolidadas de 2021 seja concretizada até ao dia 24 de fevereiro de 2023”.

Dinamarquesa Eurowind Energy investe mais de 400 milhões de euros em Portugal

A multinacional dinamarquesa Eurowind Energy, que inaugurou esta terça-feira o segundo parque solar de produção de eletricidade do país, quer investir até ao fim desta década mais de 400 milhões de euros em Portugal.

Oito empresas portuguesas no index de igualdade de género da Bloomberg

Em análise estiveram cinco aspetos, desde a capacidade de liderança de talentos até às medidas contra o assédio sexual em ambiente profissional.
Comentários