FMI admite quadro otimista para assinar programa financeiro com a Guiné-Bissau em 2023

O Fundo Monetário Internacional admitiu hoje um “quadro otimista” para assinar um programa financeiro com a Guiné-Bissau em janeiro de 2023, referiu, em comunicado, o Ministério das Finanças guineense.

O comunicado foi emitido no final de um encontro entre o chefe da missão do FMI, José Gijon, que iniciou hoje a avaliação económica ao país com vista à assinatura de um programa financeiro, e depois de uma conferência de imprensa do ministro das Finanças, Ilídio Té.

“Se essas negociações forem satisfatórias, o Conselho da Administração do FMI reúne-se em janeiro de 2023 para incluir a Guiné-Bissau na Facilidade de Crédito Alargado”, afirma o comunicado.

O FMI manifestou também a sua disponibilidade para continuar a apoiar o país a “resolver os problemas económicos e financeiros”.

Na reunião com o FMI, o ministro das Finanças traçou um “quadro favorável na perspetiva de conter despesas públicas”, sublinhando que foram tomadas medidas, incluindo a redução de assessores e conselheiros nos órgãos de soberania.

Em relação à Empresa de Eletricidade e Águas da Guiné-Bissau, Ilídio Té, reconheceu que “continua a ser um risco fiscal”, mas que o Governo “não vai injetar fundos” na empresa e que continua a acompanhar a sua gestão.

O ministro abordou também as medidas corretivas feitas nos setores da saúde e educação, onde “foram assinaladas” entradas “irregulares” e que “conduziram ao aumento exponencial da massa salarial”.

No encontro, foram também abordados a situação da banca comercial e a gestão do fundo covid-19.

Uma missão do FMI iniciou hoje contactos com as autoridades da Guiné-Bissau para analisar a situação económica e as condições para negociar um programa financeiro.

A primeira parte da missão do FMI, liderada por José Gijon, vai realizar-se de forma virtual e a segunda parte vai decorrer em Bissau entre 14 de novembro e 22 de novembro.

O FMI anunciou em junho que iria retomar brevemente a assistência financeira à Guiné-Bissau no âmbito da Facilidade de Crédito Alargado e destacou no âmbito das consultas do artigo IV que a gestão orçamental sustentável é uma “prioridade” e que a consolidação orçamental deve continuar em 2022 para “conter o elevado risco” de aumento da dívida pública.

No último relatório sobre as Previsões Económicas Mundiais, divulgado em outubro, o FMI prevê para 2022 na Guiné-Bissau um crescimento económico de 3,8% e de 4,5% em 2023.

Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.
Comentários