FMI desembolsa 1,6 mil milhões para ajudar o Equador a enfrentar crise económica

O Fundo Monetário Internacional (FMI) decidiu desembolsar imediatamente dois mil milhões de dólares (1,6 mil milhões de euros) para o Equador para ajudar o país enfraquecido pela pandemia, a anunciou segunda-feira a instituição.

Este montante está a ser libertado como parte do plano de ajuda no total de 6,5 mil milhões em 27 meses que foi aprovado a 30 de setembro, lê-se em comunicado.

O Presidente equatoriano, Lenín Moreno, numa mensagem no Twitter, explicou que a revisão do acordo e a aprovação do segundo desembolso do crédito se deve à “gestão ordenada” da economia nacional.

“Graças à gestão ordenada das finanças públicas, foi aprovado o segundo desembolso do FMI para o Equador de dois mil milhões de dólares”, indicou

O Presidente equatoriano mencionou ainda que estes recursos chegarão ao país “nos próximos dias” e salientou que o pagamento do contrato de crédito é acordado por um período de 10 anos, com um período de carência de quatro anos e uma taxa de juro de 2,9%.

O Ministro da Economia, Mauricio Poso, insistiu no nível de confiança da comunidade financeira internacional no país e disse que a possibilidade de ter passado na revisão técnica do FMI se devia basicamente às decisões do governo equatoriano de combater a corrupção.

“Mais uma vez, a comunidade internacional mostrou a sua confiança no país com a aprovação do segundo desembolso de dois mil milhões de dólares do FMI”, escreveu Pozo na sua conta do Twitter.

Reiterou também que “as decisões promovidas pelo governo equatoriano para combater a corrupção foram decisivas” para que o FMI aprovasse o desembolso.

O FMI advertiu que o programa de apoio ao Equador “continua a enfrentar riscos consideráveis” a nível internacional, tais como a incerteza sobre “a profundidade e a duração da pandemia”.

Também a nível nacional, o FMI espera que haja “um amplo consenso e aceitação em todo o espetro político dos principais objetivos e políticas do programa”.

Recomendadas

Governo francês de Macron prioriza apoio às classes médias trabalhadoras

“Vamos concentrar mais as nossas ajudas para os franceses que trabalham e que se levantam cedo”, declarou o ministro de Ação e Contas Públicas, Gabriel Attal, que insistiu que se deve “agir para favorecer o trabalho” na França.

“Orçamento da Saúde para o próximo ano poderá não ser suficiente”, alerta Correia de Campos

O antigo presidente do Conselho Económico e Social destaca o aumento de 2,7% do orçamento para a Saúde para 2023 mas adverte que o mesmo não vai ser suficiente tendo em conta que não acompanha “nem a inflação, nem a manutenção do equipamento, nem o reforço salarial necessário”

Portugal e Espanha terão de continuar a ter “exceção ibérica” no preço do gás

O primeiro-ministro disse que tem de continuar a haver uma “exceção ibérica” para os preços do gás mesmo que seja criado um novo mecanismo europeu, porque Portugal e Espanha continuam a ser “uma ilha” energética.
Comentários