PremiumPoul Thomsen: “O BCE está a colocar muito dinheiro nas economias e esse é um risco”

Ex-chefe de missão do FMI alerta para risco de crispação entre Norte e Sul da Europa com a resposta do banco central à crise.

“O BCE está a colocar muito dinheiro nas economias e, na minha opinião, esse é um risco que pode aumentar a crispação entre o Norte e o Sul da Europa”. A frase é de Poul Thomsen, ex-chefe da missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Portugal, que em declarações ao Jornal Económico comentou a resposta da instituição presidada por Christine Lagarde à crise pandémica.

Aquele que foi o primeiro chefe de missão da troika no país, em 2011, esteve recentemente em Portugal para participar no “2021 Fórum Financeiro Outlook”, defendendo que enquanto a Reserva Federal (Fed) dos Estados Unidos é capturada pelos mercados, o BCE é capturado pelas preocupações com os países do Sul com dívidas elevadas.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Governo aprova extinção do fundo de pensões da Caixa

A extinção do fundos de pensões da CGD já está aprovada. Os beneficiários não serão, contudo, prejudicados, já que as responsabilidades passam para a CGA.

Taxa média dos novos depósitos atinge 0,35%, a mais baixa da zona euro

Enquanto a remuneração dos depósitos continua baixa, a taxa de juro dos novos empréstimos para a compra de casa fixou-se em 3,24% em 2022, um máximo desde julho de 2014.

CEO do Santander Totta revela que são “poucos milhares” com crédito à habitação em risco de incumprimento

No entanto, Pedro Castro e Almeida deixou um alerta: “Se os juros subirem para 4%, vamos ter muito mais reestruturações”. Nesse cenário, este responsável acredita que a economia vai “arrefecer”, adiantando ainda que esse arrefecimento pode ser benéfico para Portugal.
Comentários