FMI revê em alta inflação na zona euro para 7,3% este ano

No relatório, a instituição com sede em Washington assinala que a projeção para a inflação global é mais pessimista, esperando agora que atinja 8,3% no quarto trimestre deste ano face ao quarto trimestre do ano passado, quando em abril esperava 6,9%.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu hoje em alta a inflação da zona euro este ano, prevendo agora 7,3%, mais 2,9 pontos percentuais (p.p.) do que anteriormente, segundo as projeções económicas hoje divulgadas.

No relatório, a instituição com sede em Washington assinala que a projeção para a inflação global é mais pessimista, esperando agora que atinja 8,3% no quarto trimestre deste ano face ao quarto trimestre do ano passado, quando em abril esperava 6,9%.

O FMI explica que a revisão em alta da inflação em 2022 é maior para as economias avançadas, onde se espera que atinja 6,3% face aos 4,8% projetados em abril, impulsionada pelos aumentos significativos em economias do Reino Unido (com um aumento de 2,7 pp. para 10,5%) e a zona euro (revisão em alta de 2,9 pp. para 7,3%).

As previsões para 2023 permanecem relativamente inalteradas, com uma revisão em alta de 0,2 p.p..

Segundo o FMI, tal reflete “a confiança de que a inflação irá diminuir à medida que os bancos centrais apertarem as políticas e os efeitos base dos preços da energia se tornarem negativos”.

Para os mercados emergentes e economias em desenvolvimento, espera que a inflação em 2022 atinja 10%.

Recomendadas

Foram detidos 119 suspeitos por crime florestal este ano

O ministro da Administração Interna afirma que, devido às investigações em curso, o número de detenções pode subir.

Aramco: petrolífera saudita com lucro recorde de 48,4 mil milhões

Subida dos preços do petróleo com a guerra na Ucrânia e a elevada procura pós-pandemia levam lucros da petrolífera saudita a disparar 90% no segundo trimestre.

PremiumInflação nacional em novo máximo, enquanto abranda nos EUA e Alemanha

A média dos últimos onze meses, sem a parte habitacional, ultrapassa já os 5% e agosto dificilmente contraria esta tendência.
Comentários