FMI suspende ajuda à Grécia até tomada de posse de novo Governo

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou em Washington que suspende a ajuda à Grécia até à formação do Governo que vencer as eleições antecipadas. “Negociações com as autoridades gregas sobre a sexta tranche do programa de ajuda … só vão ser concluídas após a tomada de posse do novo Governo”, disse em Washington o porta-voz […]

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou em Washington que suspende a ajuda à Grécia até à formação do Governo que vencer as eleições antecipadas.

“Negociações com as autoridades gregas sobre a sexta tranche do programa de ajuda … só vão ser concluídas após a tomada de posse do novo Governo”, disse em Washington o porta-voz do FMI, Gerry Rice.

O mesmo responsável disse ainda que o FMI já consultou a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu (BCE).

As eleições legislativas foram antecipadas para o próximo dia 25 de janeiro após a derrota parlamentar para escolha do candidato presidencial proposto pelo Governo de coligação (Nova Democracia e PASOK) liderado por Antonis Samaras.

A próxima avaliação da troika (FMI, BCE e Comissão Europeia) estava marcada para meados de janeiro.

OJE/Lusa

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.