FNE critica Ministério da Educação pela “ausência de medidas concretas de valorização da carreira dos docentes”

“É urgente que se dê uma resposta positiva à mais que visível revolta dos docentes e se alcancem soluções em que todos os educadores e professores portugueses se revejam e se sintam mais reconhecidos e valorizados pelo Governo, a quem compete essa valorização, em termos remuneratórios e de condições de trabalho”, refere o FNE num comunicado enviado esta terça-feira à imprensa.

A Federação Nacional da Educação (FNE) criticou hoje o Ministério da Educação (ME) pela “ausência de resultados práticos e de medidas concretas de valorização da carreira e das condições de trabalho dos docentes”.

“É urgente que se dê uma resposta positiva à mais que visível revolta dos docentes e se alcancem soluções em que todos os educadores e professores portugueses se revejam e se sintam mais reconhecidos e valorizados pelo Governo, a quem compete essa valorização, em termos remuneratórios e de condições de trabalho”, refere o FNE num comunicado enviado esta manhã à comunicação social.

Na mesma nota, o FNE indica que enviou ao ministério liderado por João Costa o seu parecer sobre as propostas apresentadas pelo mesmo na passada quarta-feira, dia 18 de janeiro, sobre a revisão do Diploma dos concursos, o redimensionamento geográfico dos atuais QZP, os critérios para abertura de lugares de quadro, a vinculação e colocação por graduação profissional, a correção das ultrapassagens, o Conselho Local de Diretores, a gestão dos recursos humanos docentes, a possibilidade de vinculação em QA/QE, entre outros.

No dia 19, o FNE já havia deixado um alerta para a “pouca iniciativa e ineficácia nas negociações” com os professores.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Professores “só vão parar de lutar” quando a tutela os ouvir, diz Sindicato

“A determinação destes professores e a vontade de continuar a lutar são extraordinárias e isto não vai parar enquanto o Governo não der resposta aos problemas dos professores”, disse Mário Nogueira.

Escolas do Porto param hoje na última etapa da greve por distritos

Ao 18.º dia, a greve nacional por distritos, convocada por oito organizações sindicais, chega ao Porto, onde se espera um índice de adesão quase total. Para o próximo sábado está marcada uma grande manifestação em Lisboa.
Comentários