Fogo em Alijó em fase de resolução, segundo CDOS de Vila Real

O incêndio em mato no concelho de Alijó, Vila Real, está em fase de resolução, permanecendo no local 132 operacionais e 40 veículos, segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS).

EPA/ANTIONIO JOSE

O incêndio em mato no concelho de Alijó, Vila Real, está em fase de resolução, permanecendo no local 132 operacionais e 40 veículos, segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS).

Fonte do CDOS de Vila Real disse à Lusa que o incêndio, que começou cerca das 16h00 de sábado na freguesia de Vila Verde, concelho de Alijó, entrou em fase de resolução às 07h06 de domingo, mantendo-se os operacionais no local para as operações de rescaldo.

O incêndio obrigou ao corte da Autoestrada 4 (A4) entre Vila Real e Alijó por três vezes durante a tarde e noite de sábado.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANECP) não registava às 08h50 qualquer incêndio ativo, dando apenas conta de dois fogos em fase de resolução e outros 15 em conclusão.

Portugal continental deixou de estar na quinta-feira em situação de alerta devido ao risco de incêndio, mas todo o dispositivo da Proteção Civil está no terreno com a capacidade máxima.

A situação no país em termos de risco de incêndios será reavaliada este domingo pelo Governo.

Recomendadas

Ponte Vasco da Gama cortada ao trânsito na noite de quarta para quinta-feira

A Ponte Vasco da Gama, que liga Lisboa e Alcochete (distrito de Setúbal), vai estar encerrada ao trânsito na noite de quarta para quinta-feira, devido aos trabalhos que estão a decorrer na infraestrutura, informou a Lusoponte.

Secretária de Estado diz que unidades móveis de atendimento da PSP são para manter

A secretária de Estado da Administração Interna afirmou hoje que o recurso a unidades móveis de atendimento da PSP “é para manter”, referindo que o resultado do uso daquele equipamento no Porto e em Lisboa “é positivo”.

Seca. PCP defende necessidade de “controlo público dos recursos hídricos”

O PCP defendeu esta segunda-feira a necessidade de se criar uma estratégia que assegure o “controlo público dos recursos hídricos”, criticando as “políticas de direita” que têm mercantilizado e colocado a gestão da água “nas mãos de capital estrangeiro”.
Comentários