Fogo no Marão com duas frentes em zona de difíceis acessos

O incêndio que lavra desde a noite de sábado na serra do Marão tem duas frentes ativas em zonas de “difíceis acessos”, mas não ameaça populações.

O incêndio que lavra desde a noite de sábado na serra do Marão tem duas frentes ativas em zonas de “difíceis acessos”, mas não ameaça populações, disse o segundo comandante operacional da Proteção Civil de Vila Real.

“No terreno temos duas frentes ainda ativas, está a arder com alguma intensidade porque está a progredir em zonas de difíceis acessos”, disse Artur Mota cerca das 12h00.

De acordo com o segundo comandante operacional distrital (CODIS), o incêndio não está a colocar populações ou habitações em risco, por ocorrer “só na montanha, na parte mais alta da Serra do Marão”, perto das turbinas eólicas, já perto do distrito do Porto.

O responsável disse que no local há “pessoal a fazer trabalhos com ferramentas manuais”, uma “linha de mangueira” e os meios aéreos estão “a fazer descargas para permitir a entrada do pessoal em terra”.

O incêndio, localizado na freguesia de Campeã, concelho de Vila Real, deflagrou no sábado pelas 22h37, segundo os registos da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Pelas 12h25, de acordo com a página na internet da ANEPC, estavam no combate a este incêndio 136 operacionais, auxiliados por 38 meios terrestres e sete meios aéreos.

Artur Mota considerou que o incêndio “não está a arder assim com grande intensidade”, mas advertiu que o vento pode aumentar as dificuldades durante a tarde.

“Isso pode ser a nossa traição, porque se não for o vento a estragar-nos o serviço, à partida não está assim nada de fora do controlo”, anteviu.

O incêndio lavra numa zona de povoamento florestal (área arborizada, com pelo menos 0,5 hectares e mais de 10% de grau de coberto), segundo a ANEPC.

Recomendadas

Músicos afegãos refugiados apresentam-se hoje ao vivo no festival Iminente em Lisboa

 Na génese deste projeto está a cooperativa cultural Largo Residências, de Lisboa, distinguida no ano passado com o prémio da Acesso Cultura na categoria de Acessibilidade Social.

Portugal está na frente na diretiva sobre plásticos de uso único

“Portugal está no pelotão da frente porque já transpôs grande parte” da diretiva e propôs até medidas bastante ambiciosas, por exemplo, em termos de redução de copos de bebidas e embalagens de plástico para ´take away´ (redução de 80% até final de 2026 e de 90% até 2030, tendo por referência os valores de 2022), diz o comunicado da Zero.
Comentários